terça-feira, 29 de março de 2011

Corrigir a rota e exercer o livre-arbítrio


Existe livre-arbítrio? É possível mudar nosso destino? As estrelas comandam nossa vida? O destino é pré-traçado? O que podemos fazer para cumprir nossa missão e corrigir os erros do passado?

Estas e outras tantas perguntas são repetidas exaustivamente em meu consultório pelos clientes (ou pacientes?) que me procuram para uma orientação astrológica. Geralmente, numa primeira consulta, eu costumo fazer uma análise mais abrangente, uma espécie de 'pacote', incluindo em minha orientação não somente os traços principais do mapa natal da pessoa, mas também a indicação das influências astrológicas que estarão em seu caminho nos meses e eventualmente nos anos vindouros. Podemos examinar o mapa com a visão da astrologia convencional, a qual afirma que nosso caráter é determinado pela posição dos planetas e estrelas no momento do nascimento. Esta astrologia é bastante determinista.

No entanto, a astrologia cabalística afirma que as decisões sobre trilhar este ou aquele caminho estão em nossas mãos. Nós temos livre-arbítrio. Como dizia C. G. Jung: 'Livre arbítrio é fazer bem feito aquilo que somos obrigados a fazer'! Eu eliminaria o 'obrigados a fazer' e o substituiria por 'escolhemos fazer'!

Devemos convir que as nossas escolhas sejam determinadas por alguns fatores básicos, ou seja, por nosso caráter e nossa forma de pensar e agir. Devemos também aceitar de início que o espírito escolhe o momento astral adequado para o seu desenvolvimento e desta feita, devemos concluir que nossas escolhas passadas determinam o ponto de partida de nossa caminhada atual. Do mesmo modo, concluímos que nossas escolhas atuais irão determinar as nossas futuras caminhadas!

Os cabalistas afirmam que desde o inicio dos tempos tivemos que fazer escolhas. Eles consideram que a humanidade (o Homem Adão Kadmon, que vivia no Paraíso) escolheu se afastar da Luz por causa do seu desejo de aprender a ser ele próprio 'gerador de Luz'. De fato, no inicio, o Homem só recebia a Luz, e se sentia preenchido e realizado. Porém, ao receber a Luz, ele recebeu também o 'desejo de gerar Luz' e num belo momento, resolveu ser dono do seu próprio destino e se separar da Luz inicial. Este foi o primeiro ato de 'livre-arbítrio' do Homem. E esta atitude o obrigará, encarnação após encarnação, a compartilhar a Luz com os outros homens.

Adão disse: "Se eu sou igual ao Criador, eu também posso ser gerador de Luz!" e, então, ele se tornou responsável por seu próprio destino. Certamente, nosso espírito, ao encarnar, precisa fazer uma longa caminhada para merecer voltar para o 'colo do Pai', para a Luz Infinita primordial. E ao longo das encarnações, este espírito precisará de um corpo físico e terá particularidades e circunstâncias a superar. Ele fará boas ou más escolhas, e nem sempre acertará o caminho de volta! A cadeia das encarnações é proveniente do 'mundo dos desejos', situado e representado pela Lua que na Cabala é relacionada com a Sefiroth de Yesod, de nº 09. (leiam mais sobre Cabala e a Arvore da Vida no meu site pessoal).

Por essa razão, quando fazemos uma análise cabalística do mapa natal, (uma análise mais espiritualizada e menos mundana) podemos identificar melhor quais serão os pontos principais de nossa caminhada e identificar também nossa bagagem atual, nossos obstáculos. Com este conhecimento, será mais fácil fazer nossas escolhas.

Costumo sempre comparar nossa jornada na Terra como sendo um 'passeio' do espírito numa carruagem. O espírito é o passageiro de uma carruagem (corpo) que lhe é emprestada pelos pais para lhe fornecer o DNA Físico. Este DNA físico é principalmente identificado pelo signo Ascendente e pelos planetas que ali se encontram.

A carruagem pode ser adequada -ou não-, ao espírito (identificação solar), mas será com ela que ele precisará integrar-se e percorrer sua caminhada. Então o espírito/Sol entrega um roteiro a um cocheiro/Lua que cuidará da carruagem e também dos cavalos, que o levarão rumo à sua meta derradeira. O espírito/Sol conhece o roteiro e conhece também quais serão os obstáculos que ele terá que enfrentar ao longo do caminho.

Porém, muitas vezes, ele 'adormece' e deixa que o cocheiro/Lua siga a sua rota, sem sua interferência. Desta forma, o cocheiro/Lua poderá errar o caminho, se perder, trilhar rotas inadequadas e finalmente poderá sucumbir aos condicionamentos e necessidades dos cavalos (instintos), poderá quebrar uma roda da carruagem/ASC e poderá sucumbir, levando a carruagem para um caminho inadequado.

Devemos aceitar, porém, que os obstáculos estão no nosso caminho para nos fazer evoluir, para nos ensinar algo que nosso espírito necessita. Não é isso que pregam todas as filosofias espiritualistas? Porém, como enfrentaremos os obstáculos se estamos 'adormecidos'?

Caro leitor, se a astrologia convencional lhe diz que 'você é vítima do seu destino', não acredite! As estrelas não determinam nosso destino, elas simplesmente indicam o caminho a seguir. Afinal, um bom navegador deve conhecer o caminho das estrelas, para não se perder no mar, não é mesmo? Se seguirmos rumo ao Sul, procuraremos o Cruzeiro do Sul, se estivermos no hemisfério norte, procuraremos a Estrala Polar, e assim, nos ajudando com as outras constelações, seremos guiados para nosso destino. Deus colocou o céu sobre nossa cabeça para escrever mensagens, dizem os sábios. A astrologia lê e interpreta essas mensagens.

A astrologia cabalística, em particular, possui uma ferramenta (entre outras) muito poderosa para ajudar você a encontrar o 'seu rumo'. No Mapa Natal existem dois Nodos Lunares, o Nodo Sul e o Nodo Norte que os cabalistas chamam de Tikkun. Os nodos são dois pólos diametralmente opostos, chamados também de Cauda do Dragão (Sul) e Cabeça do Dragão (Norte).

Os Nodos não são algo tangível, pois não possuem massa física. São simplesmente pontos de intersecção entre duas orbitas: a do Sol com a da Terra, e a da Terra com a Lua. Considerando que a Lua é o indicador do passado (daí sua identificação astrológica com o ambiente familiar) e o Sol é o indicador do Futuro, (daí a identificação com o seu Eu Interior, ou Espírito), os nós são indicadores do destino. Os dois Nodos têm em geral um movimento retrogrado, porém às vezes podem também ter movimento direto.

A palavra 'Tikkun' em aramaico quer dizer 'correção'. Poderíamos então interpretar que o Tikkun de nosso mapa nos indica qual o 'ponto de correção' de rota nesta encarnação? Se tivermos uma chance de corrigir nossa rota, então quer dizer que temos livre-arbítrio, não é mesmo? Certamente, porém, dentro de alguns limites impostos pelas nossas escolhas passadas!

Ao compreender o significado de nosso 'Tikkun' pessoal saberemos principalmente:

- identificar nossas fraquezas e erros do passado;
- reconhecer a bagagem que trouxemos das encarnações passadas;
- evitar os bloqueios e desvios que atrasam o nosso progresso em direção à Luz;
- superar nossos medos internos;
- identificarmos-nos mais com o nosso Sol, no conceito mais espiritual e profundo.

O cabalista Rav E.P.Berg, escreve sem eu livro Kabbalistic Astrology: Pense numa nave interestelar que está a caminho de uma estrela distante. A bordo existe um computador que mantém o foguete em seu curso. Ao longo da rota, o foguete passa por planetas ou estrelas que exercem uma força gravitacional sobre ele e podem desviar sua rota, mas o computador mantém o rumo traçado inicialmente, fazendo eventuais correções de rota, quando necessário.

Imagine então que nós somos este foguete e temos um poderoso computador de bordo (nosso Espírito), os planetas e as estrelas funcionando como um hardware. O Tikkun funcionaria como o software que manterá nossa vida individual no rumo certo e tornará útil o computador. O computador é representado, portanto, pelo 'momento astrológico do nascimento', configurado principalmente pelo nosso signo solar, pelos aspectos planetários que com sua disposição indicarão como será o nosso corpo físico. Finalmente os Nodos Lunares serão o tikkun, o 'software' que usaremos para manter nosso foguete no rumo certo.

Sem o tikkun, certamente o foguete errará o rumo e não atingirá o alvo desejado: a Luz. Se levarmos em conta a informação contida na posição dos Nodos Lunares, dentro do contexto de nosso mapa natal, poderemos fazer as devidas correções em nosso comportamento e melhorar nossa performance para alcançarmos a meta. A Lua, em astrologia, se identifica com a mãe e o ambiente familiar, é responsável pela psique, pelas lembranças, emoções e sentimentos.

A Lua, na Cabala, exprime nosso 'desejo de receber', desejo este que precisa se expressar não para nosso próprio beneficio, mas para o 'desejo de compartilhar a Luz'. Se este desejo se torna egoísta, não conseguiremos ir adiante em nossa caminhada e padeceremos encarnações após encarnações!

O Nodo Sul descreve toda a bagagem que trouxemos de nossas prévias encarnações. É como uma 'caixa de Pandora' onde guardamos nossos talentos e habilidades, mas também nossos condicionamentos, fraquezas e defeitos!

O Nodo Norte descreve o caminho ou a correção que devemos fazer na presente encarnação. O tempo todo, a posição (signo solar e casa astrológica) onde ele se encontra, servirá de 'lembrete' para que possamos fazer essas nossas 'correções de rota'.

Os dois Nodos, se interpretados no contexto de seu mapa natal, podem nos fornecer a chave da auto-realização. Ainda há tempo para corrigir nossa rota, já que não há limites para o autoconhecimento. Não andem pela vida sem conhecimento como uma carruagem sem destino. Não esperem para alcançar a realização pessoal. Somente o autoconhecimento pode nos libertar dos condicionamentos e erros do passado.

Por Graziella Marraccini


Ele não desiste, mas também não assume!


Já ouvi muitas mulheres reclamando da falta de postura dos homens. Sejam maridos, namorados ou apenas "rolos" (encontros casuais), elas pedem uma atitude mais assertiva e coerente, mas eles insistem em se fingirem de mortos.

Justiça seja feita, também existem mulheres que se comportam desta maneira. Ou seja, estamos falando de pessoas que simplesmente não se colocam! Não desistem, não vão embora, mas também não assumem e não se comprometem. Infelizmente, vão levando a vida assim, sem fazer escolhas, sem se entregarem sequer aos seus próprios sentimentos.

Bom lembrar que o silêncio e a ausência são as formas mais fáceis de se enlouquecer uma pessoa, porque ela fica sem referências, sem respostas, sentindo-se perdida em seus próprios pensamentos, sem ter uma negação ou uma confirmação. Portanto, trata-se de uma enorme covardia usar desta "arma" da comunicação para lidar com alguém a quem se ama, pelo menos supostamente. Duas pessoas precisam dialogar para se entenderem. Se isso não acontece, a tendência é que ao menos uma delas se sinta completamente sem norte!

E quem está nesta situação, tentando experimentar uma relação mais madura ou, pelo menos, mais clara, termina sem saber o que fazer, como agir e até onde cobrar. Na expectativa de que uma conversa ou uma decisão pessoal possa esclarecer quais são as verdadeiras intenções do outro, passam semanas, meses e até anos à espera de uma resposta. E quando, cansadas de tanto silêncio, tantas desculpas ou tantas contradições, pressionam de forma mais categórica e exigem um posicionamento, o outro geralmente reage - e bem mal!

Comumente, esses tipos se colocam no lugar de vítimas, acusando o outro de fazer pressão demais, de cobrar demais e de não ser compreensivo. Daí, aproveitam para justificar sua falta de postura baseando-se no momento caótico: o da gota d'água, quando já não se agüenta mais e parte-se para o extremos das acusações. E assim, como se realmente estivessem cheios de razão, são capazes de ir embora ou de simplesmente voltarem à inércia inicial após a crise, como se nada tivesse acontecido, deixando ao outro a impressão de que são, de fato, exagerados, loucos ou incompreensivos.

A questão é a seguinte: um relacionamento é composto por duas pessoas. Quando uma tem perguntas e a outra não quer dar respostas, ou quando uma assume o que sente e se compromete e a outra apenas vai levando, alguém terá de tomar uma decisão e, obviamente, vai sobrar para quem está em busca das respostas, para o mais maduro, para quem sabe o que quer para sua vida.

Se este é o seu caso, ou seja, se a pessoa com quem você se relaciona não desiste de você, mas também não assume o que quer, você mesmo terá de encontrar as respostas que deseja, nem que sejam as suas próprias. Isto é, se está cansado de esperar o posicionamento do outro, exausto de cobrar, de pressionar, de tentar conversar e ele continua feito uma estátua, fazendo-se de muda, cega e surda, prepare-se para algumas resoluções básicas.

Em primeiro lugar, comece a reforçar sua segurança. Ou melhor, dia após dia, passe a repetir para si mesmo o que você quer para seu futuro, o que espera de um relacionamento, o que pretende viver com a pessoa que estiver ao seu lado, supostamente compartilhando a vida.

Em seguida, mas somente quando se sentir seguro o bastante do que deseja, deixe bem claro ao outro que seu limite está chegando ao fim e de que, embora goste muito dele e queira muito manter essa relação, precisa da participação efetiva e contundente dele. Caso contrário, pretende desistir desta situação e tentar recomeçar.

Não se esqueça de falar direta e objetivamente sobre o que quer. Casar? Ter filhos? Usar aliança? Morar junto? Não sei... descubra exatamente o que você deseja e informe o outro, assumindo seus sonhos sem medo de parecer cafona ou antiquado. É sobre sua vida, seu futuro e sua felicidade que estamos falando e se nem você mesmo souber o que deseja, será difícil convencer o Universo de que você merece tudo isso!

Por fim, estabeleça um tempo-limite para que o outro se coloque, assuma ou desista categoricamente desta relação. Enfim, para que o deixe saber o que ele realmente pretende, sem ficar lhe enrolando indefinidamente e fazendo você perder tempo investindo neste encontro. Mas não precisa contar sobre esse limite para o outro. É uma decisão sua, que não deve ser compartilhada por uma razão óbvia: caso essa data chegue e você não se sinta pronto para colocar um ponto final nesta história, poderá estabelecer uma nova data limite. Isso evita que você fale e volte atrás, perdendo sua credibilidade e deixando o outro acreditar que você só promete que vai terminar, mas na hora "h", não cumpre.

E assim, consciente do que quer e se sentindo seguro quanto ao que merece da vida, assuma-se e pare de esperar pelas respostas do outro, que vem mostrando há tempos que não se importa com suas perguntas! A maior responsabilidade pela realização de seus desejos é, felizmente, sua! Portanto, faça acontecer!

Por Rosana Braga


domingo, 27 de março de 2011

Prece de Memei - Nosso Lar













Salmo 100:4


Entrai pelas suas portas com ação de graças, e em seus átrios com louvor; dai-lhe graças e bendizei o seu nome.


Deus tem visto suas Lutas.
Deus diz que elas estão chegando ao fim.
Uma benção está vindo em sua direção.

"Que hoje se realize tudo o que você quer. Que a Paz de Deus e o frescor do Espírito Santo estejam em seus pensamentos, dominem a noite em seus sonhos e esteja sobre todos os seus medos.
Que Deus se manifeste de uma maneira jamais experimentada por você.
Que seus desejos sejam atendidos, inclusive seus sonhos mais íntimos, e que suas orações sejam respondidas.
Minha oração é para que você tenha mais Fé.
Minha oração é para que seus espaços sejam aumentados.
“Minha oração é pela sua Paz, Cura, Saúde, Felicidade, Prosperidade, Alegria e um Verdadeiro e Eterno Amor a Deus.”



Turnabout Jazz Soul - The Fragrance of Dark Coffee


quarta-feira, 23 de março de 2011

Ensinamentos para construir o amor com novas atitudes



Muitas vezes nos vemos repetindo os mesmos modelos negativos de conduta. Nos sentimos atraídas por pessoas que nos deixam infelizes, vivemos insatisfeitas com o emprego ou trabalho, com o nosso corpo, insistimos em pensar de maneira improdutiva, criando pessimismo e negatividade.
Queremos mudar, mas não sabemos o que ou como fazer.

Às vezes dizemos para nós mesmas que simplesmente não tivemos sorte. Chegamos até a culpar os outros ou a vida em si pela nossa infelicidade ou fracassos.
Sofrendo, nós desejamos saber:
"Por que isto está acontecendo comigo?"
"O que devo aprender com tudo isso"?
Na realidade, essas são excelentes perguntas.

Não podemos mudar o que já aconteceu, mas temos o poder para decidir sobre como perpetuar os efeitos dessas "coisas" que atraímos para a nossa vida, através das nossas atitudes.
É totalmente possível acabar com os nossos hábitos negativos.
O primeiro passo consiste em admitir que o hábito existe.
Depois podemos examinar quais foram as circunstâncias da vida que nos levaram (levam) a atrair essas situações "nocivas".

No decorrer desse processo, vamos aprendendo a assumir a responsabilidade pela direção que damos à nossa vida. Por piores que sejam as tendências que nos marcam desde o nascimento, não temos a obrigação de ser afetadas por elas a vida inteira. Somos dotadas de livre-arbítrio e podemos interceder em nosso destino, se necessário for, para o transformar e mudar.
Um antigo poema em sânscrito diz: "O ontem não passa de um sonho e o amanhã não passa de uma visão; mas o hoje bem vivido faz do ontem um sonho de felicidade e do amanhã uma visão de esperança".

OS PASSOS PARA AS ATITUDES DE SABEDORIA

Quais são as medidas concretas que podemos tomar para produzir mudanças positivas?
É preciso ser determinada, disciplinada, humilde e paciente. Leva tempo para que um modo consciente de conduta se instale no subconsciente e se torne automático.
Compreendendo quais são todas as conseqüências da seguinte seqüência de etapas, você pode aprender sozinha a exercer construtivamente o seu livre-arbítrio.

ALIMENTAÇÃO

Nosso corpo físico é um templo sagrado, instrumento de manifestação de nosso espírito em processo de evolução aqui na Terra. Tudo o que ingerimos deve ter um respeito e uma consciência de que é através deste corpo em harmonia que iremos manifestar a nossa evolução.
A ignorância é um mal, o caminho da involução, do atraso, da perda de oportunidades.

O esclarecimento e o autoconhecimento são os caminhos que nos levam ao contato verdadeiro com nossa alma, com nosso espírito, com a Criação.
Saber como alimentar-se e desintoxicar-se são atitudes de sabedoria e totalmente espirituais.

A alimentação realizada sob a ótica de uma pessoa esclarecida só traz benefícios, desde físicos até emocionais e psicológicos.
E este esclarecimento deve ser dinâmico, ou seja, jamais encerrar os seus estudos. A ciência da bioquímica é uma criancinha.
E as milenares filosofias orientais trazem ensinamentos de saúde fantásticos, sendo fontes muito preciosas de eterno estudo.

RESPIRAÇÃO

A respiração é o único alimento nutritivo do nosso corpo emocional. E é deste corpo emocional que nascem nossos sentimentos e emoções, que darão origem aos pensamentos.
A respiração, sem a qual não podemos perpetuar nossa presença aqui na Terra, é fundamental para que uma idéia se transforme em realidade.
A respiração profunda e ritmada é sinal de pulmões sadios, que por sua vez captam o PRANA, a força sutil do hábito ou da força vital que é responsável por nossa energia total.


SENTIMENTOS / PENSAMENTOS
A respiração profunda e equilibrada - na qual o ciclo de inspiração - expiração se faz sem esforço - cria um estado de tranqüilidade interior - lucidez - no qual os sentimentos, emoções e pensamentos poderão se desenrolar com clareza e objetividade.

Desta forma, somos capazes de nos concentrar nas questões - desafios = oportunidades fantásticas para aprender e crescer - sem perder de vista o nosso objetivo principal, que é a evolução espiritual.

ATITUDES
Quando somos capazes de sentirmos e pensarmos com clareza sobre um desafio ou situação, saberemos como agir. Discernir entre o que é bom (sábio) e o que é passional ou destrutivo.

HÁBITO
A repetição de atitudes sábias cria um hábito positivo = evolutivo. Embora de início essas ações exijam um esforço consciente, no decorrer do tempo elas irão se incorporando ao nosso estado natural de Ser.

CARÁTER
Os hábitos são o fundamento do caráter. Quando uma série de atitudes saudáveis se torna um hábito inconsciente, percebemos que iniciamos a transformação das antigas atitudes negativas.

CONDUTA
É a conduta que reflete as mudanças que ocorrem no caráter. As outras pessoas perceberão com evidência, que você está mais assertiva, mais sábia e compassiva. Um ser carismático que transborda e atrai sabedoria e energia de compaixão.

CIRCUNSTÂNCIAS
Com uma atitude e conduta mais sábias, as circunstâncias da sua vida irão se transformar. O encontro com mais harmonia na sua realização profissional, com seu corpo, com sua auto-estima, nos relacionamentos interpessoais e finalmente na vida espiritual.

TÉCNICAS DE MUDANÇA CONSTRUTIVA

1. Aprender e praticar a Alimentação Consciente + Alimentação Desintoxicante.
2. Respiração - A maioria das pessoas não respira tão profundamente quanto deveria. Comece a respirar fundo, puxando o ar para a barriga e deixando-o preencher completamente o peito e os pulmões. Ao expirar, siga a mesma técnica da inspiração e solte o ar tão profundamente quanto o inspirou.
3. Massagem energéticas.
4. Meditação - Dizem que orar é conversar com Deus. Meditar é ouvir o nosso Deus interno, nos falando sobre nossas verdades e valores internos. Meditar é integrar-se com a nossa própria luz e reconhecer o que somos e o que viemos realizar.
5. Visualização - Exercícios de visualização nos fazem crescer no sentido do que desejamos e imaginamos. Na meditação iremos reconhecer nossas verdades e valores internos. A partir destas informações saberemos identificar com lucidez e clareza quais são nossos reais desejos e objetivos. Daí em diante, use as imagens, as cores, os cristais, as velas, os aromas, enfim, co-crie o seu futuro, com sabedoria e consciência.

CONCLUSÃO

É o espírito que dá origem à mente e ao corpo, e não o contrário. Se você procurar atender às suas necessidades espirituais, estará automaticamente cuidando de todas as outras.
Quando o seu coração se enche da mais perfeita confiança, quando você crê no mais fundo do seu Ser que aquilo que você está contemplando lhe cabe por direito, quando você confia na divina lei da "causa e efeito", algo de mágico se inicia em você.

A sinceridade, a atenção carinhosa, o prazer de "sofrer" para aprender e crescer, a equanimidade e sobretudo a fidelidade, têm todas um papel essencial nos seus relacionamentos interpessoais e para com você mesma.

Depois de conseguir atrair para sua vida tudo o que a você pertence desde o início desta experiência tridimensional, a evolução está indubitavelmente sendo realizada. Você está acontecendo com Deus. Religando-se com Ele.

Babaji, grande santo do Himalaia, disse certa vez: "Banat, Banat, Ban Jai", que significa: "Agindo, agindo, está feito."

É muito animador saber que nós temos o poder de mudar para melhor, melhorando também os nossos relacionamentos com todos e o mundo.

Por Conceição Trucom


Quando o esforço é excessivo


Esta noite, sonhei que havia me proposto a fazer um recital de piano em homenagem à minha avó que havia falecido. Foi um sonho tenso, no qual eu resistia em admitir que não sabia mais tocar piano. Sofria pelo esforço excessivo de tentar estar preparada para algo que eu, de fato, inconscientemente sabia que não estava. Mas foi quando me deparei com o piano que seria usado para o recital que relaxei: ele estava velho e desafinado... havia uma boa desculpa para eu me sentir aliviada... eu não poderia tocar nele! Compreendi então que não apenas eu não estava pronta, mas as condições também eram inapropriadas! Em seguida, passei a buscar uma nova solução para homenagear minha avó: fui perguntar às pessoas que viriam ao recital como elas poderiam participar da cerimônia...

Este sonho me fez pensar sobre a importância de explorarmos mais os recursos à nossa volta quando nos sentimos despreparados diante de um desafio.
Quando nosso esforço torna-se excessivo, é sinal de que nos tornamos rígidos e, portanto, há algo que devemos mudar; do contrário, não teremos força para seguir adiante.

Nossas metas podem continuar as mesmas, mas o modo de atingi-las deve ser alterado: podemos encontrar uma maneira de sermos mais realistas de acordo com as nossas condições e habilidades.
São tantas as vezes que nos auto-impomos expectativas exageradas que nem nos damos conta de que já ultrapassamos nossos limites!

Quando a tendência de abusar de nossas próprias forças torna-se um hábito, já nos distanciamos de nós mesmos, paramos de nos ouvir, perdemos a capacidade de nos alertar de que é hora de voltar!

Ao escrever esta frase, me veio à mente uma imagem clara desta idéia: minha filha tem um cão (da raça Golden Retriever) que adora nadar no mar em direção ao horizonte. Ela fica apreensiva ao vê-lo indo embora, fascinado em nadar sempre em frente, pois teme que ele não tenha forças para voltar. Então, grita inúmeras vezes por seu nome chamando-o de volta. Creio que temos que fazer o mesmo conosco mesmos quando já não mais medimos esforços em seguir nossos objetivos. Muitas vezes, estamos tão fascinados pelos horizontes que se abrem à nossa frente que esquecemos de olhar como andam nossas forças!

Não se trata de pensar pequeno; podemos (e devemos) ter metas elevadas como a de atingir a iluminação em benefício de todos os seres, mas se não reconhecermos nossos limites estaremos fadados a nos esgotar.

O medo e a inquietação são sinais de alerta, informando que ultrapassamos nossas capacidades. Eles nos mostram onde estamos frágeis e vulneráveis para seguir nosso combate. Quando algo nos deixa inquietos, significa que estamos perdidos: precisamos nos reorientar, pois provavelmente a sede ao pote nos enrijeceu. Precisamos nos tornar flexíveis novamente, ver o caminho sob um novo prisma. No caminho da evolução interior, precisamos constantementedesaprender para voltar a aprender!

Em vez de nadar alucinadamente em direção às nossas metas, podemos parar para resgatar nossas forças antes que elas se esgotem, bem como para rever nossas estratégias antes que elas se tornem exigentes demais.

Creio que isso seja particularmente importante quando estamos engajados em fazer mudanças radicais em nossa vida: quando queremos nos divorciar, mudar de emprego, de cidade ou até mesmo quando sabemos que estamos diante da morte. Não precisamos nos intimidar diante dos obstáculos, mas aceitar o quanto e onde estamos despreparados é, em si, uma atitude saudável que irá sempre nos ajudar.

Admitir que nossos esforços são excessivos é, com certeza, o primeiro passo. Em seguida, precisamos nos abrir para um novo aprendizado. Como o sonho me inspirou, uma boa dica pode ser a de buscar ajuda junto a outras pessoas! Por exemplo, podemos começar tendo a curiosidade de saber como outras pessoas enfrentaram desafios semelhantes aos nossos. Assim como diz Dugpa Rinpoche: Indo em direção aos outros, podemos descobrir a nós mesmos.

Por Bel Cesar


Iatrogenia: O maior desastre do século para a saúde

Ana Carolina & Zizi Possi - Ruas de Outono

Linda composição !


Código de Conduta Espírita - Causa e Efeito Por Bel Bezerra


Somos responsáveis por tudo que cativamos, por tudo que construímos.

Somos responsáveis por todo envolvimento e comprometimento que levamos em nossa vida, assim como a todos que nos cercam.

Somos responsáveis pelas desilusões que causamos ao outro, como também todo o sofrimento, onde as cicatrizes são inevitáveis, somos seres egoístas, excentricos em nossos costumes internos, muitas vezes por falta do real valor e da internalização da verdadeira essência: somos espíritos vivenciando uma experiência humana.

Somos responsáveis pelo nosso crescimento, tendo o livre arbítrio, com causa e efeito, a colheita sempre será obrigatória. A inércia leva ao marasmo e atraso, além da perda de um tempo que não volta. Passado sempre será passado e a consciência seu único juiz.

Somos responsáveis por toda a desconstrução que causamos em nós mesmos e em outras pessoas. A desconstrução é de efeito dominó, em cascata, que dissemina em discordia e mentiras, por vezes de forma destruidora em seu conceito de união.

A falta de consciência, da coerência, da compreensão e o do verdadeiro respeito humano, nos ceifa da verdade dentro do conceito divino do amor único e universal.

Somos responsáveis pela solidão que provocamos no outro, solidão que nos leva a abismos e que, através das fissuras em nosso perispírito, a dor adentra devastando a vida.

Somos responsáveis pelas lágrimas derramadas ao nosso redor, sempre profundas, onde correm e corroem a alma, abrindo veios de dor e lamento, seja consigo ou com outro.

Dentro de culpas e desculpas, elas vão amarelando o tempo e se tornam calcificadas em pontos divergentes, abrindo ou levantando tênues muralhas, que aos poucos vão distanciando os sentimentos.

Cresçam, assumam e revertam, não se perde uma existência com banalidades, futilidades e muito menos com libertinagens, quem ainda não tem a consciência cósmica, não tem a dimensão das consequências, das perdas e retrocessos seculares que temos nesses caminhos.

Caminhamos para a evolução e não há espaço para infringir o código do Amor Universal Divino.

Não percam o que encontraram e o caminho já percorrido.

Vivamos em Harmonia, na Verdade e no verdadeiro Amor, conforme o Verbo.

Por Bel Bezerra



terça-feira, 22 de março de 2011

Seqüestradores de Almas


- Você sabe o que é ser prisioneiro psicológico da trama secreta e obscura de outro alguém?
- Já teve ou está numa relação onde se sente preso e sem liberdade para ser você desde os aspectos mais simples até nos mais profundos do seu ser? Sempre abre mão dos seus desejos e escolhas em nome de acertar a sua relação com o outro, sentindo-se sempre devedor de algo não palpável?
- Percebe ser freqüentemente julgado e criticado sem se quer ter errado?
- Costuma ter dificuldade para discernir se seus sentimentos sobre sua liberdade são verossímeis ou não...
- Sente dúvida sobre si mesmo a ponto de se sentir culpado?
- Sente-se obrigado a fazer coisas em conjunto que pelo seu estilo de personalidade não gostaria de fazer nem junto e nem separado...?
- Fica preso como se andando em círculos se repetindo neste tipo de situação desagradável para você?

Se as respostas forem positivas é bem provável que você esteja sendo mais uma vitima desse tipo de seqüestro emocional.

Quais tipos de pessoas costumam ser vítimas desse tipo de seqüestrador?

- Em geral, são pessoas com carências afetivas importantes, pessoas de boa índole com certa dose de ingenuidade em relação ao outro e benevolência acima do limite. Pessoas sem malícias maiores. Pessoas que acreditam que a doença emocional sempre vai morar ao lado e nunca na própria casa onde se vive.

Como agem estes seqüestradores de almas?

- O primeiro passo é o da sedução sem limites. O seqüestrador se transforma naquilo em que a vítima mais necessita no momento e nunca as promessas são falsas, sempre as cumpre. As ofertas vêm desde suprimento de carência afetiva, a oferta de trabalho, dinheiro, roupas, viagens, etc.

O problema começa quando o preço oculto neste pacote de suposta bondade, doação e boa vontade começam a ser cobrados num padrão de sofisticação intelectual em que a vítima dificilmente consegue discernir como sendo algum tipo de cobrança, mas sente-se culpada e na obrigação de servir aos desejos e reclamações do parceiro. Este por sua vez, num mecanismo perverso, visa aprisionar o outro num sistema sutilmente violento onde a principal arma é a inserção do sentimento de culpa, a desqualificação e a negação de tudo que signifique a identidade do parceiro.

Como resultado, uma importante quebra da auto-estima e confiança se estabelece somando-se ao entendimento de que só se sobrevive psiquicamente através da dependência emocional e dos ditames do suposto seqüestrador.

Como escapar deste tipo de enredamento psicológico e de alma?

- Em primeiro lugar, é preciso se ter plena consciência de que algo está errado. Que as sensações diárias não estão nada boas e que algo deve ser feito, mesmo que não se tenha clareza sobre a totalidade da situação.
- Em segundo, saber que podemos fazer escolhas na vida, por mais difíceis que elas possam parecer.
- Em terceiro, se estiver muito confuso e com dificuldades para discernir o certo do errado, o justo do injusto e sentir um constante desconforto, não deixe de buscar auxílio de amigos, se tiver, de uma convicção religiosa e sempre busque apoio num processo terapêutico.

Os danos causados pro este tipo de vivência se forem por período demasiado longo, podem ser devastadores na vida de uma pessoa.

Lembre-se, sua vida é única e que estamos aqui para sermos felizes de verdade. Não se acostume com o que não lhe faz bem, tudo pode mudar para melhor. Ouse e conquiste.

Por Silvia Malamud


A Vida se Reconstrói



Há determinados momentos no caminho de uma pessoa em que ela se vê frente a uma destruição irreparável. Algumas vezes está vinculada ao inesperado falecimento de um ente querido; em muitas outras, ao brusco término da relação com alguém especialmente amado. O sentimento de perda é arrasador.

A impressão é de que a vida perdeu o sentido, a pessoa se sente como se estivesse morta ou morrendo. Certamente alguma coisa lá dentro morreu. Aquele outro se torna uma ausência, uma falta dolorosamente sentida. Em períodos como esse, tenta-se – da maneira que for possível – sobreviver e manter a esperança de um futuro melhor.

A morte é triste e irreversível; mais dramático, porém, é o fim não desejado de uma história de amor. Existe uma sensação de fracasso, de derrota e, na maioria das vezes, um vago sentimento de culpa que acompanha a inevitável pergunta: “onde foi que eu errei?” E por vezes perdura a frustrante ilusão de um retorno que não acontece. Lidar com os destroços de um amor encerrado pelo parceiro – muitas vezes sem que se saiba direito o que aconteceu e como – é uma tarefa penosa, tal qual tentar sobreviver a um naufrágio.

A sensação de que as emoções estão mortas dentro de si acompanha permanentemente a pessoa. Quando o sentimento de culpa não impera, fica uma noção de impotência e uma idéia dolorosa de estar sendo vítima de uma injustiça: “fiz tudo direito, amei e me comportei bem, fui fiel, não merecia isso”, como se ser amado fosse merecimento.

Mas a vida ressurge. Sempre. Ela é mais forte do que a tristeza: supera o peso da dor e ergue-se impávida. Em Nova Iorque, no Soho, na Wooster Street, existe uma instalação do artista plástico Walter De Maria (1935-), chamada “Sala da terra”. Trata-se de um salão de 330 metros quadrados, localizado em um andar qualquer de um prédio comercial, coberto de terra escura. Foi montado em 1977 e desde então lá se encontra, aberto ao público.

O visitante pode apreciá-lo da porta e não há muito para ver. Apenas uma camada de terra de cerca de meio metro de altura cobrindo todo o espaço disponível. Um homem está encarregado de tomar conta do local. Sua função é abrir e fechar diariamente a sala nos horários estabelecidos e arrancar as pequenas folhas que constantemente brotam da terra. Sim, porque a vida não cessa e ressurge sempre, mesmo quando já não parece haver mais vida nenhuma.

Pode demorar. Os que já passaram por isso sabem que um dia todo o sofrimento passa, a tempestade se desfaz, o bom tempo volta e o sol torna a brilhar, a aquecer a alma e a iluminar os caminhos. Quem ainda não chegou a esse momento pode acreditar: isso passa; pode demorar, mas passa. É preciso manter viva a chama da esperança e acreditar na capacidade de ressurreição do coração arrasado.

Sempre haverá no futuro a possibilidade de um novo amor e é necessário estar preparado para receber essa dádiva preciosa. E um dia, em um futuro por vezes nem tão distante assim, a nova paixão ilumina com seu brilho a alma, como o sol que ressurge e nos aquece após um longo período de mau tempo. Ou como a primavera que rebrota depois de um longo e escuro inverno. A vida se impõe. Sempre.

Por Luiz Alberto Py


Reflexões



Deixe passar o momento ruim, pois nada é para sempre. Confie na vida, pois o que ela traz também leva e pune aqueles que se comportam de modo contrário à lei do Amor! A consciência, a voz de Deus em cada pessoa, alerta cada um quanto aos desvios do caminho e nada pode fazê-la calar... Podemos fugir de qualquer pessoa e de coisas que nos incomodem, mas nunca de nós mesmos, por muito tempo. Há os que se embriagam, há os que se drogam, há os que se atordoam com medo de ficar a sós consigo mesmos, há até os que se suicidam, mas nada disso resolve, pois sempre ecoará em cada um a repreensão pelo mal cometido, ou o elogio pelo bem praticado.

Por isto, quando se sentir ofendido, procure sofrer o mínimo possível! Deixe estar... Continue o seu caminho e vá entregando os fardos e sofrimentos a Deus, que está em todos e que sabe como resolver cada problema a seu tempo.

Importa amar-se muito, dar-se o devido valor, ouvir-se e com isto também amar a tudo e a todos como centelhas do Pai. O desequilíbrio de alguém pode durar muito tempo, mas terá um fim. A desarmonia parece até eterna, mas há de ser vencida pela ordem cósmica que tudo alinha.

Avance com o olhar e vislumbre o horizonte com os olhos de seu espírito. Detalhes pequenos desta caminhada nada são, quando percebemos o todo, uma existência inteira. Naqueles que não se detêm olhando o lodo, crescem asas que lhes permitem voar acima dele, para além das montanhas mais altas, para perto do Sol e da Luz, bem próximo às estrelas, num vôo alegre, feliz!

Diante da palavra ríspida, da vibração de ódio, aquiete-se, ore e procure se tranquilizar. Essas energias fazem principalmente mal a quem as sente. Deixe estar... O tempo, grande guardião do ontem, do hoje e do amanhã, faxineiro das consciências, também se encarregará de ensinar e modificar essa situação. A vida não pára e cada dia traz sua lição para todos.

Não guarde o que passou e lhe fez sofrer. Deixe-o ir... Na memória, cultive os momentos bons e de cada dor procure tirar um ensinamento, de cada engano uma lição que lhe permitirá andar com mais segurança logo adiante.

Entregue-se a Deus, conte-lhe tudo que lhe preocupa e espere as Suas respostas. Sempre as terá, se tiver confiança nisso. Creia que existe um Amor que permeia tudo e todos e que sustenta os que se julgam caídos. O único poder verdadeiro é o do Pai e este não escraviza, mas liberta! Confie na justiça cósmica que tem tempo para fazer os seus ajustes. Nada passa despercebido dela e, um dia, em algum lugar, num tempo que vai existir, reinará a Paz e a compreensão neste Planeta!


Por Maria Cristina

Simbolismo piscológicos nos vicios e parasitismo extrafísicos



Para o principiante, fumar ou beber são simbólicos. Eu não sou mais o filhinho da mamãe, eu sou durão, sou um aventureiro, não sou quadrado...

À medida que o simbolismo psicológico perde a força, o efeito farmacológico assume o comando para manter o hábito. Para o adepto do Espiritismo, o vício de fumar ou de beber tem conseqüências muito sérias, sobretudo, por causa das reiteradas advertências dos Benfeitores Espirituais, esclarecendo sobre os malefícios que causam à mediunidade.

O médium, viciado no fumo, consubstancia-se integralmente em "cachimbo" ou "piteira" nas amarras dos inveterados fumantes do além, e o viciado em alcoólicos torna-se alvo de obsessão dos esfarrapados alcoolistas do além-túmulo.

O viciado fica preso nas garras insaciáveis do parasitismo ou do vampirismo. Vidas que poderiam ser nobres, dignas, proveitosas, tornam-se vergonhosas e inúteis, estimulantes de capitulações desastrosas. Famílias inteiras são, às vezes, afetadas por esses desastres morais de profunda repercussão. Na verdade, o vampirismo é, apenas, um fenômeno de simbiose, que tanto ocorre entre os encarnados, quanto entre os desencarnados, ou seja, o vício não termina com a morte física.

O vício açoita as bases da consciência evangélica, desarmoniza a estrutura fisiopsíquica e as estruturas funcionais do perispírito, que se impregna de toxinas. O Álcool e o fumo afetam os trilhões de células unicelulares saturadas de vitalidade que compõem o psicossoma, deixando sequelas específicas.

Em verdade, o tabagismo e o alcoolismo atormentam os desencarnados viciados que se angustiam ante a vontade de beber e fumar, irresistivelmente potencializada. O desgaste da questão é consubstanciado na inexistência de indústrias de bebidas alcoólicas e de cigarros na Erraticidade para abastecer Espíritos viciados.

Em face disso, os "fantasmas" tabagistas e alcoolistas, para materializarem suas tragadinhas, tornam-se protagonistas da subjugação, transformando-se em artífices da vampirização sobre os encarnados fracos de vontade, que ainda se locupletam nos vapores etílicos e nas deletérias baforadas do malcheiroso cigarro.

Essas são razões suficientes para nos precatar contra tóxicos, narcóticos, alcoólicos, e contra o uso demasiado de quaisquer drogas que viciem a composição fisiológica natural do organismo, até porque, disciplina, critério e moderação garantem o equilíbrio e o bem-estar da nossa mente.

Por Jorge Hessen
Blog do Cele