quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Quer ser feliz? Confronte-se com acolhimento



Temos tanto medo de nos confrontarmos com nossa realidade interior, que vivemos buscando respostas para nossos problemas e angústias fora de nós. Culpamos e julgamos todas as pessoas com quem convivemos, acreditamos que somos vítimas da má sorte e que Deus nos esqueceu, como uma forma de colocarmos em algum lugar externa, as responsabilidades por todas as nossas dificuldades e dissabores. Algumas vezes, em momentos de dor mais intensa, entramos em um processo de muito medo, e acabamos nos rendendo às evidências do desequilíbrio, e não vemos outra saída, a não ser buscar ajuda exterior.

Porém, quando finalmente nos encontramos diante de um profissional que possa nos ajudar a reencontrar o equilibrio, nossa intenção é no sentido de fazer com que ele acredite em nossa condição de vítima. Contamos nossa história, nossos dissabores, temores e angústias, mas o tempo todo estamos tentando fazer com que esse profissional nos dê uma fórmula mágica a qual fará com que nossos problemas se dissipem e, o que mais desejamos, é que ele nos mostre um meio de mantermos nossa vida, atitudes e personalidade do jeito exato em que se encontra, sem que precisemos mudar qualquer condição interna em nós. Nossa tentativa é no sentido de encontrarmos meios de sairmos da dor e do medo, reassumindo o controle, e meios de mudarmos as pessoas que "nos ferem e prejudicam", como se toda a culpa fosse delas.

Não queremos que ele nos faça sugestões de promovermos mudanças internas, mesmo porque não gostamos nada da idéia de que ele nos aponte os nossos erros, nossas atitudes incorretas, nossa responsabilidade dentro do que nos acontece. Quando ele faz esse papel, de nos mostrar aquilo que está oculto em nosso inconsciente e que não queremos ver, e de nos mostrar o que em nós precisa ser modificado para que nossa interação com as pessoas e circunstâncias possam ser mais equilibradas, nossa reação é de recusa e de negação. Nos fechamos de forma a impedir que o terapeuta nos mostre além daquilo que estamos dispostos a ouvir e conhecer a nosso respeito.

Nosso pensamento é: não vim aqui para ser acusado, mas para que ele me ajude a provar, a mim mesmo e a todos, que estou certo e que sou a parte injustiçada e prejudicada, portanto, não quero ser responsável por nada do que me ocorre, mas quero encontrar uma forma de me fortalecer para vencer os problemas e as pessoas envolvidas nele, e para que possa encontrar meios de provar a essas pessoas o quanto elas estão erradas e precisam mudar. Elas sim precisam mudar, pois estou certo e convicto de que meus pensamentos, sentimentos e atitudes estão perfeitamente corretos.

Enquanto o terapeuta nos mostra a responsabilidade dos outros e nos acolhe em nossas dores, nos entregamos ao processo, mas basta que ele passe a nos apontar nossos defeitos e negatividades que nos trancamos internamente, na tentativa de não deixarmos que ele nos invada.

É aqui que nos prejudicamos, pois nessa atitude teimosa, arrogante, prepotente e defensiva, estamos perdendo a oportunidade de voltarmos o olhar para dentro de nós, com humildade e honestidade, para encontrarmos com nossos verdadeiros "inimigos", aqueles que são os únicos responsáveis por nossos fracassos, dores e temores - nossos medos, crenças antigas, mecanismos de auto-sabotagem, ódio, instinto de vingança, arrogância, dentre muitos outros - os quais mantemos tão habilmente trancafiados em nosso inconsciente para que ninguém, nem mesmo nós, possamos descobrir e para que evitemos entrar em contato com a dura realidade: somente nós somos os responsáveis por tudo o que nos acontece.

Somos responsáveis quando manipulamos as pessoas; quando nos omitimos em determinadas situações que pedem um posicionamento firme; quando permitimos que as pessoas nos prejudiquem ao invés de interditá-las, e nos fazemos de vítimas; quando nos deixamos manipular e envolver por hábeis tiranos, mesmo tendo consciência dessa interação; quando abrimos mão de nosso poder pessoal, ao invés de mantermos as rédeas de nossa vida em nossas mãos.

Portanto, fica claro que quanto mais insistimos em nos colocarmos em posição de infelizes vítimas da vida, ao invés de nos voltarmos para dentro de nós na intenção de descobrirmos quem somos de verdade, mais estamos resistindo ao processo que nos levará a uma liberdade verdadeira, em que nos libertaremos dos grilhões que nós mesmos nos impusemos inconscientemente. Quando atravessamos a densa camada de nossa negatividade, com consciência e determinação, encontraremos, oculta por essa camada, nossa verdadeira identidade, nossa essência divina. Portanto, quanto mais mergulhamos em nós, mais de nossa Luz libertamos.

Quando resolvemos nos confrontar, a despeito de todo e qualquer aspecto negativo que venhamos a descobrir a nosso respeito, e se soubermos acolher cada um desses aspectos, com amorosidade e aceitação, somos finalmente capazes de encontrar a felicidade que buscamos.

Não existe outro caminho a não ser o do autoconhecimento. Mas se não estamos dispostos a ir até as profundezas de nosso inconsciente e tentarmos apenas olhar para a superfície dele, acreditando que com o conhecimento de meia dúzia de defeitos já será o bastante para nos libertarmos, nunca nos sentiremos seres íntegros e equilibrados. Se resistirmos e nos enganarmos, por preguiça, medo ou covardia - também devemos descobrir esta verdade oculta -, nosso Ego reassumirá o poder, e tentará, a todo custo, nos fazer acreditar que o caminho do autoconfronto é perigoso e que fará com que nos percamos de nós mesmos. Se nos perdermos, será do nosso próprio Ego, se sentirmos a sensação de confusão e de perda de identidade é porque estaremos nos desidentificando com nosso Ego, o que é ótimo, para que possamos ter a liberdade de descobrir nossa negatividade oculta, o que nos levará a descobrir nossa identidade Real.

Porém, poderemos nos equivocar e passarmos a nos identificar com nossos aspectos negativos, acreditando que somos essa parte horrível de nós. Era justamente pelo medo que tínhamos de descobrir essa realidade, que nos deixávamos guiar por nosso Ego, para que o mundo não viesse a descobrir o ser abominável que somos. Mas se perseverarmos, conseguiremos nos libertar novamente das garras do Ego manipulador e nos entregaremos novamente ao processo, que nos levará a descobrir tudo o que há de pior em nós, sem acreditarmos que somos esses aspectos negativos, mas que apenas os contemos. Conseguiremos compreender, que nossa negatividade é proveniente da mesma corrente de energia positiva, que faz parte da Luz de nosso Ser Real, a qual apenas se negativou, mas continua sendo luz.

Isto nos trará serenidade para passarmos a nos confrontar cada vez mais profundamente e, a cada descoberta de negatividade, saberemos que ela apenas faz parte de nós na dualidade e que não é nossa realidade final. E tudo de negativo que faz parte de nós na dualidade, deve ser acolhido e aceito, para ser "educado e orientado", para que encontre o caminho de volta à nossa luz, o caminho da reconversão e reintegração com nossa essência divina.

Por Teresa Cristina Pascotto

Por que Amo quem não me Ama?


Os relacionamentos não se estabelecem da forma como as pessoas desejariam, o individualismo tomou conta do planeta. O termo "ficar" é o que melhor traduz esse individualismo; não há compromisso, nem compartilhamento, falta o envolvimento e, portanto, inexiste o crescimento mútuo e, se isso não ocorre, instala-se a frustração.

Relacionamentos doentios e de co-dependência também pertencem à onda do momento. Um ama de forma desesperada e o outro simplesmente leva a sua vida do jeito que acha correto, sem dar muita atenção a este amor.

O nosso equilíbrio pessoal é de suma importância para que relacionamentos egoístas ou individualistas não façam parte de nossas vidas.

Temos, sim, que nos curar primeiro! É uma limpeza que requer dedicação. Eu decido que vou me equilibrar e me tratar e, quando isso ocorre, há então o desabrochar do amor que sempre existiu dentro de você.

Com todas as minhas frequências energéticas equilibradas, com os meus bloqueios do passado desfeitos, então, há a possibilidade de um envolvimento pleno, que também significa um risco. Sim, um risco! Porque nesse momento pode haver diferentes realidades se juntando e o número de conflitos internos pode ser desconhecido e até mesmo não resolvido, dos dois lados, e nesse momento a compreensão se faz necessária. Somente uma pessoa equilibrada pode ter discernimento para gerenciar esses conflitos.

A união entre duas pessoas é plena, na proporção que os dois estão em equilíbrio consigo mesmos. Somente quando essa condição é estabelecida é que se instala o equilíbrio pleno entre o casal, levando, então, ao crescimento mútuo.

A maturidade emocional e espiritual se faz necessária no momento da escolha de quem estará ao nosso lado. Se, no momento da escolha, você não estava suficientemente maduro, tenha absoluta certeza que atrairá para sua vida algo que não condiz com seus desejos mais profundos e, nesse caso, então, amará quem não te ama e o sofrimento passará a fazer parte de sua vida.

As pessoas, muitas vezes, passam uma vida inteira tentando agradar o outro e se fazer amado... e isso nunca acontece, simplesmente porque o outro está em outra fase de evolução.

A dissonância de comportamento entre duas pessoas é sempre reflexo do seu momento de crescimento. Quem ama, quer conhecer o segredo que há por trás da outra alma e, assim, descobrir-se também. Mas como realizar isso se o objetivo da outra pessoa não é esse?

A traição também é algo que reflete esse momento de vida. Quanto mais imaturo for o ser humano, mais a sexualidade estará separada do amor.

Outro caso muito comum é quando amamos de maneira profunda uma pessoa que tem envolvimento com outra. Nesse caso, é muito importante observar o porquê de estarmos gerando o sofrimento para nossas vidas... por que ficar com as migalhas de um relacionamento?

Perceba, desta maneira, que o problema se encontra com você... será que você quer alguém realmente inteiro para você? O outro não tem culpa de nada, porque ele simplesmente está em outro momento de evolução...
Nunca pense que o amor deixou de existir, e aquilo que se faz presente no mundo, hoje, é a realidade que temos que aceitar... Isso não é verdade!

Todos nós temos o direito de amar e sermos amados de modo completo e inteiro, mesmo que isso leve um tempo para acontecer, pois o tempo da demora é o suficiente para que cada um descubra o seu eu interno e se cure, a fim de estar pleno para o outro.

Aproveite o tempo da espera e questione, sim, se vive algo que não deveria fazer parte de sua vida. Somente assim você poderá dar um passo rumo ao que deseja!
Há algum tempo, atendi uma grande amiga, que deixou de estar presente em minha vida, por um período, por ondas do destino.

Não sou muito de atender aos amigos, pois sou transparente e objetiva o suficiente para apontar o que há de errado energeticamente e mostrar as mudanças necessárias, e nem sempre isso agrada a todos.
Acabamos nos afastando porque ela se envolveu e casou com uma pessoa que eu não concordava.

A história foi a seguinte: ela conheceu um moço um pouco mais novo que ela por quem se apaixonou cegamente e como o desejo de ser mãe transpunha qualquer comentário externo que pudesse ser feito, ela embarcou nessa história.
Na época, medindo e verificando a energia do rapaz, a pedido dela, descobri que ele era usuário de drogas... Contei a ela, que me disse que já sabia e que ele somente usava em casa.

Veja só o absurdo... por estar cega e totalmente desequilibrada, ela mergulhou de cabeça nessa história. Com certeza, conforme seu próprio relato, contou-me que viveu tudo de pior que a vida podia lhe oferecer. O único aspecto positivo de tudo isso foi a filha maravilhosa que teve.

Hoje passados uns dez anos, nos reencontramos e ela me disse do arrependimento de não ter me ouvido na época. Eu, então, somente lhe interroguei: você quer se curar energeticamente?

Iniciamos o tratamento com a Mesa Radiônica a fim de equilibrar a sua energia e eliminar os bloqueios formados, que não eram poucos.

Passados oito meses de nosso tratamento, respeitando o tempo de espera e cura, ela conheceu um americano, mais velho que ela uns dez anos, maduro e sabendo o que deseja... Está de casamento marcado para ir, então, morar com ele nos Estados Unidos e trabalhar na agência de viagens dele, cuidando da América do Sul.

Sim, tudo isso é possível em sua vida também, mas nunca se esqueça que a cura se faz necessária, para que energias semelhantes sejam trazidas para sua vida!

Por Maria Isabel Carapinhas


segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Não se culpe por um erro que não cometeu!


Sou a primeira a defender a idéia de que é preciso pedir desculpas e rever seu comportamento quando se comete um erro, mas também rapidamente me levanto para defender uma acusação injusta. E se é mera coincidência ou recorrência de enganos, eu não sei. Mas o fato é que tenho ouvido histórias parecidas de pessoas que se sentem culpadas pelo fim de um relacionamento sem terem, na verdade, essa responsabilidade, ou pelo menos não desse tamanho!

Veja bem! Todo relacionamento é feito de duas pessoas, e isso é reconhecido e aceito por todos. Mas por que será que a tendência é de que só um seja responsabilizado pelo que saiu errado? Por que, em geral, um ocupa o lugar de certo, sabichão e o outro aceita o lugar de culpado?
Explico: em geral, os espertos fazem o que querem, saem com os amigos sem dar a menor satisfação e sem considerar a opinião e a vontade do outro, contam mentirinhas com a cara mais deslavada do mundo, mas sempre encontram justificativas para fazer valer cada um de seus argumentos.

O outro, por sua vez, em geral se submete, faz o que o "manipulador" quer, na hora que ele quer e, no final das contas, ainda sai como culpado, responsável pelas brigas e desentendimentos. Sua fama é de ser intransigente, cobrador, briguento e, diante do menor deslize, do menor revide, será acusado, julgado e condenado sem nenhuma chance de defesa.
Ainda que a relação continue, ouvirá 'todo-santo-dia' o quanto merece ser punido por aquele tal erro cometido, num fatídico dia em que se cansou dos desaforos do outro. Perde todo e qualquer direito de expressar o que sente, especialmente se seu sentimento for contrário ao que o espertinho quer fazer.

Bem, verdade seja dita: tá tudo errado! Tanto o que sacaneia impiedosamente, responsabilizando o outro de forma sutil e extremamente eficiente pela relação ter chegado a este ponto; quanto o que se deixa acusar, aceitando as torturas e punições dia após dia, vestindo a carapuça de culpado e se lamentando o tempo todo! Resumindo: juntou a fome com a vontade de comer, e deu nesse exagero e descompasso!

Agora, enquanto um bate e o outro apanha, resta-nos descobrir quem vai reclamar da brincadeira primeiro. Em geral, é quem está apanhando, obviamente. E a situação é mais ou menos assim: o bom de lábia apronta várias: mente, trai, aparece e desaparece quando bem entende. Hoje, está uma seda, todo gentil, carinhoso, cheio de promessas e declarações de amor. Amanhã, sem motivo que o justifique, é grosseiro, frio, não aceita perguntas e se faz de ofendido diante da menor desconfiança ou pedido de explicação do outro. O culpado, por sua vez, termina se deixando convencer de que realmente não deveria ter dito o que disse, que pegou pesado e que nem tem provas para estar tão desconfiado ou ter ousado culpar o outro do que quer que seja.

E o pior é quando o espertinho termina a relação justificando que não aguenta mais ser alvo de tantas acusações, e que ele, sim, tem motivos para desconfiar do outro... afinal, teve aquele dia, aquele deslize que ele julga fatal, do qual ele jamais vai se esquecer e muito menos perdoar. Daí, tá armada a cama de torturas! O culpado vai sofrer desesperadamente, acreditando que tudo terminou dessa maneira porque ele foi ansioso, impaciente e injusto! Vai se lamentar dia e noite por tudo o que disse e, certamente, também vai pedir perdão pelo que fez, pelo que não fez, e pelo que jamais sequer pensou em fazer. Vai pedir perdão por tudo, sem ter feito - de fato - absolutamente nada que realmente justificasse o comportamento do outro e o final da relação.

Se você está passando por isso, sendo responsabilizado constantemente pelo desgaste do relacionamento, pelo enredo torto que ele tem seguido ou até por ter chegado ao fim, preste atenção: quem ama, respeita, conversa, interessa-se pelos sentimentos do outro, tenta chegar a um consenso e, acima de tudo, tem o mínimo de constância em suas atitudes. Quem ama, não termina sem antes tentar de outro jeito, ceder um pouco mais, colocar-se no lugar do outro. Quem ama, não age de modo dissimulado, sempre dando um jeito de reverter a situação e fazer o outro se sentir mal, culpado pelo que disse!

E, sendo assim, se o espertinho da sua vida terminou o namoro ou o casamento e agora só quer ficar com você, argumentando que não dá para voltar a ficar junto porque você não é confiável, mas também não lhe deixa em paz, especialmente, quando você arrisca outra relação ou quando ameaça nunca mais ficar com ele, abra os olhos! Esse pilantra tá tentando minar sua auto-estima, acabar com suas convicções e fazer você acreditar que realmente não é uma pessoa sensata.

Lembre-se que a decisão sobre o que vai ser da sua vida é, em última instância, sempre sua. Portanto, saia dessa cama de torturas e vá à luta, em busca de sua felicidade e, sobretudo, de um amor de verdade, porque esse é mais falso que CD pirata, vendido no camelô de feira de rua! E pode apostar: se for amor de verdade, se o danado apenas bobeou, certamente vai rever seu comportamento, mudar sua postura e vai assumir você!

Por Rosana Braga


segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Lidando com pessoas difíceis



Como ensinam os mestres, a convivência é o grande instrumento de elevação espiritual. Pode não parecer muito bonita esta idéia, mas com certeza esse argumento é coberto de verdade. Porque é muito fácil fazer meditação num grupo, ter idéias iluminadas sobre trabalho, amor ou vida pessoal, enquanto faz uma viagem astral. O difícil é trazer para o mundo objetivo a concretização dos sonhos, e não há empecilho maior do que a convivência diária com pessoas difíceis. Mas vamos tentar analisar um pouco melhor o que pensamos sobre pessoas difíceis.

Alguém pode ser muito difícil para mim e para uma outra pessoa pode até se mostrar como uma pessoa tranqüila e bem humorada. Muitas vezes, quando converso em terapia com pessoas que reclamam dos seus relacionamentos, encontramos esse tipo de dissonância. São casamentos em desarmonia, irmãos competindo uns com os outros, concorrência no trabalho criando um ambiente confuso e sem educação. E por que tudo isso? Por que viver em desarmonia com as pessoas a nossa volta?

Foi esta a questão que trouxe Lúcia, professora universitária, a fazer uma Sessão de Vidas Passadas comigo. Casada há 15 anos, com duas filhas pré-adolescentes, ela se dizia atacada pelo mau humor do marido. Vimos em Vidas Passadas uma pessoa presa, sem expressão, numa vida como camponesa. Em seguida, vieram histórias de guerra, combate e morte, que trouxe para essa pessoa um sentimento de impotência. Trabalhamos a limpeza da energia e ela se sentiu melhor.

Terminado o contato mediúnico, ela me explicou que fazia de tudo para se dar bem com o marido, mas que a convivência estava indo de mal a pior. Sofrida, ela me contou que ele gritava com ela sem respeitar a presença das crianças, mas que na frente de amigos se mostrava sorridente e amistoso. Em lágrimas, ela perguntava como contornar a situação.

Ficou claro que, por vários motivos, Lúcia não sabia mais impor limites nas relações. Foi baixando a guarda, fazendo concessões no casamento, aceitando ser maltratada e com isso sua auto-estima foi sendo dilapidada. Ela não sabia mais o que podia aceitar e em que momentos deveria dizer não. E infelizmente, amigo leitor, devo dizer que esse tipo de situação é muito mais comum do que podemos imaginar.

Quantos casamentos, relacionamentos vão se perdendo na falta de respeito, na falta de carinho. Um quadro assim pode ser mudado, mas, em primeiro lugar, a pessoa que tenta o tempo todo contemporizar, agradar, precisa olhar fundo para si mesma e entender até que ponto pode ceder.

Não podemos e nem devemos ceder sempre. Muito menos ficar com raiva acumulada dentro de nós. Faz parte da evolução espiritual aprender a colocar limites, valorizar-se, desenvolver a compreensão com o próximo. Mas, ao mesmo tempo, não assumir uma postura omissa. Quando algo incomoda é saudável entender o porquê. É saudável também aprender a dizer não sem raiva. Porque se guardamos nossos sentimentos ou nos permitimos esbravejar, perdemos a razão.

Lamentavelmente, o mau humor, que é sinônimo de má energia, adoece muita gente. Você não verá pessoas evoluídas se corroendo de mau humor... e não é porque essas pessoas não têm problemas ou desafios. Pois enfrentar dificuldades faz parte da vida, lidar com pessoas envolve todos nós.

O que as pessoas mais evoluídas espiritualmente aprenderam, e que devemos nos esforçar para seguir o exemplo, é que temos luz para agir, e não devemos tentar nos esconder daquilo que nos incomoda. Se algo não está bom, olhe para o problema. Use seus instrumentos para lidar com o assunto. Reze bastante, medite, tente encontrar a luz dentro de você. Mas com coragem, humildade e paciência. Não deixe de tomar atitudes práticas frente às questões em desarmonia. Deus também se revela nas transformações.

Por Maria Silvia Orlovas


Terapia de Vivências Passadas: crença ou ciência?


Bem, antes de entrar na questão da terapia regressiva,que responde a esta pergunta, vale pensar a frase de Mario Quintana: "O passado não reconhece o seu lugar, está sempre presente."

As memórias, situações de imensa alegria ou de extremo desprazer estão arquivadas e impressas em cada célula dos nossos corpos.

O cérebro é capaz de armazenar informações de toda a existência e, dependendo da carga afetiva que produz, desencadeia uma ciranda bioquímica que altera o funcionamento do sistema corporal lançando o indivíduo do paraíso ao inferno, sendo o inverso também verdadeiro.

Dito isto e, pensando nas informações que a história do passado nos revela, mais especificamente, o legado do considerado o Pai da Medicina - Hipócrates de "Cós", (a ilha da Grécia Antiga, onde médicos e terapeutas atuavam em suas práticas para atender de forma personalizada o "ser humano" que adoeceu) constatamos que já nesta época, Hipócrates consagrou-se pela habilidade em usar seu saber com amor, interessando-se pela dinâmica de vida de seus pacientes, procurando com isso entender com verdadeira visão holística, como cada ser/paciente se posicionava diante de sua própria existência. Da observação dos diversos e singulares sintomas, nasceu então o conceito e exercício das clínicas multidisciplinares.

O desequilíbrio era visto sem crendices. Consciente da importância da espiritualidade, Hipócrates afirmou que o adoecer se dava pela desarmonia do indivíduo com o cosmo.
Esta ordem de raciocínio/ diagnóstico comprova a existência de um ruído desagregador entre o corpo e a alma humana.

A alma necessita de um corpo para se manifestar e se auto-aprimorar, via caminho natural de evolução, independente da escolha religiosa que o indivíduo tenha.

Hipócrates direcionava seus conhecimentos de forma científica, não no supersticioso, entendendo os humores corporais (bioquímica) e a personalidade.

" Tuas forças naturais, as quais estão dentro de ti, serão as que curarão suas doenças." - Afirmava ele.

Parafraseando respeitosamente a Hipócrates, reporto-me às terapias regressivas, tema desta matéria.

A hipnose desde a antiguidade era considerada misteriosa, que de alguma forma, pela desinformação, impunha-se poder sobre o outro.

Hoje graças aos estudos sobre a técnica posso dizer que é uma das formas mais assertivas para que o indivíduo se conecte com a própria força.

Hipnose não é sono profundo, ao contrário, é estar desperto, onde todos os seus sentidos trabalham em conjunto. É uma verdadeira equipe em favor de si mesmo.

O terapeuta que utiliza esse recurso deve ter em mente de que é um facilitador no foco de atenção do cliente em suas habilidades que o auxiliarão a encontrar a origem de suas dificuldades/desequilíbrios.

A hipnose não tira a consciência, ela é um dos recursos para a autoconsciência.

É importante que o profissional tenha conhecimentos de neuroanatomia funcional e transpessoal (estados modificados de consciência), o que lhe conferirá segurança em sua atuação.

Cada cliente é um universo, para tanto precisa estar munido de diferentes recursos.

O terapeuta, como já indicava Hipócrates, precisa estar inteirado de como o cliente participa da vida, encontrar com ele a dificuldade prioritária. Através da hipnose (transe leve-mediano) é possível acessar um arquivo com memórias onde a origem dessa dificuldade que o trás ao consultório, possa ser encontrada e resignificada por ele com suas habilidades internas. É a manifestação de seu curador interno.

E é simples explicar "o curador interno", se fizermos uma mera comparação com a tecnologia criada pela própria inteligência humana para a ciência da computação. Existem as funções "restart" ou "reparar configurações", pergunto então: "Como o corpo e a mente humana, máquinas perfeitas em sua concepção, não teriam como acessar estas funções?Sim! É claro que temos este acesso! E são realizadas através do curador interno de cada ser-corpo e alma.

Nas experiências, durante a terapia regressiva, tudo é importante, carregado de conteúdo simbólico, independente de em que tempo esteja. O mais importante é o sentido que esse conteúdo tem na vida do Ser.

Estando a experiência em sua adolescência, na infância, na vida intra-uterina, num período entre vidas, em outra vida, com inimigos ou seres espirituais, nós terapeutas devemos respeitar e "acolher" o conteúdo para ser trabalhado em psicoterapia. O conteúdo é recheado de significados e conseqüentemente de entendimentos que resultam em soluções para as mais inusitadas fontes de dor, desequilíbrios e doenças.

Desejo do corpo aspiração da alma - o conflito ao qual Hipócrates se referiu.

As terapias regressivas são recursos na psicoterapia, utilizados por profissionais habilitados e com habilidade e não a terapia em si.

Acessar conteúdos, sem trabalhá-los é acentuar um desequilíbrio.

É sabido que o ser humano tem capacidade/habilidade de lembrar-se de fatos há muito tempo vivenciados. A memória é um recurso cognitivo que utiliza os sentidos para armazenar as experiências de toda a existência.

A TR favorece ao Ser/paciente, recordar/vivenciar (fatos muitas vezes registrados de forma distorcida) e esgotar a tensão emocional desse núcleo de dor e dar um novo significado a ele.
Trauma significa uma ferida aberta (dor emocional), infeccionada (carga afetiva intensa), que ao menor esbarro (gatilho) faz doer e ter reações diversas e desproporcionais.

A TR permite ao indivíduo higienizar sua ferida e curá-la com seus próprios recursos com a recuperação da força despendida no momento traumático.

Sendo um trauma uma ferida produz alterações funcionais.

No cérebro existem as amigadas (as da garganta são toncilas) que são arquivos de momentos traumáticos, pois armazenam a emoção vivenciada sinalizando perigo, envia mensagem de sobrevivência e todo o conjunto cerebral envolvido se mobiliza para a proteção/evitação, o que distorce a interpretação do evento. Quando há um gatilho a carga emocional é acionada (sem a lembrança do fato) e se perde a capacidade de diferenciar o perigo. A atividade elétrica do cérebro se altera, fica desordenada, produz irritação do funcionamento do hipocampo (autobiografia-história do indivíduo) libera o hormônio do estresse e os dois lados do cérebro trabalham de maneira irregular alterando o discernimento.

O terapeuta não é um juiz (não faz julgamentos) e sim um acolhedor dos conteúdos que serão objeto da psicoterapia.

Como psicoterapeuta me utilizo de várias ferramentas como Bioeletrografia para verificar como está a energia gerada pelo cliente, Florais de Bach para recuperar força e promover a homeostasia (recuperação da força vital), recorro aos conteúdos de sonhos, para depois utilizar a terapia regressiva, já com um endereço certo, sem turismo no passado.

A espiritualidade é condição do ser humano, a religião é uma escolha.

Estamos vivendo uma grande revolução científica e espiritual, nada pode ser ignorado, tudo precisa ser no mínimo, observado.

Por Martha Mendes


Inveja: não entre nesse jogo!



Se você é uma pessoa que preserva o seu equilíbrio psíquico-espiritual e tem conhecimento de pessoas que o invejam, sejam elas parentes, vizinhos ou colegas de profissão, evite sintonizar com esses indivíduos nesse nível de energia negativa.

O ser humano é um emissor - e receptor - de energias anímico-espirituais que revelam como ele é em essência, isto é, sem as máscaras que encobrem a sua verdadeira personalidade e caráter.

A mente perversa de característica maniqueísta, por exemplo, é mais comum entre nós do que imaginamos. Esse desequilíbrio psíquico-espiritual que a psicanálise denomina psicopatologia, é responsável pela desarmonia nas relações familiares e interpessoais em geral.

O indivíduo que "destila" inveja, geralmente, é um desequilibrado que não tem consciência do poder de autodestruição que carrega consigo. E quando a energia da inveja é dirigida para determinada pessoa em forma de inverdades, comentários maldosos ou calúnias, esse dardo venenoso segue seu curso em direção ao seu objetivo, que é agredir moralmente o destinatário. Se o objetivo for atingido, ou seja, irritar o invejado a ponto de desarmonizá-lo, o invejoso torna-se "vencedor" de um jogo perverso cujas regras ele manipula com maestria.

Uma vez no controle da situação, ele continua lançando seus dardos energéticos em direção à sua vítima, até desequilibrá-la psíquica e espiritualmente através da afinidade de sintonias negativas que se estabelece na relação emissor-receptor.

O melhor "antídoto" contra o veneno do dardo da inveja, é a indiferença consciente ou a atitude firme e centrada de quem nãoentra num jogo de cartas marcadas pela energia da maldade de certas pessoas que não conseguem libertar-se de um modelo comportamental que as prendem ao passado.

Pela lei de causa e efeito, sabemos que todo o mal projetado contra o outrem, um dia retorna na mesma proporção de sua intenção original. Porém, a "inveja patológica" por ter a sua origem em um mecanismo inconsciente de traço obsessivo-compulsivo, não percebe os sutis detalhes que dizem respeito à natureza interdimensional do homem...

Portanto, a atitude de superioridade moral diante da inveja é a melhor defesa contra uma energia invasiva que tem o objetivo de agredir e desestabilizar. E atitude moral exige paz de espírito, paciência e discernimento. Mas atitude firme e centrada quando o momento exigir, seja na reparação de danos morais através da justiça ou no enfrentamento de situações inevitáveis, desde que o invejado não afinize com a baixa sintonia do agente agressor.

Somos seres dotados de inteligência e grande capacidade de evolução, e o crescimento desperta a inveja de quem ainda permanece escondido na pequenez de seu espírito. Infelizmente, é da natureza humana ainda imperfeita, invejar aquele que por méritos próprios atingiu um patamar que o invejoso não consegue atingir. E essa inveja, muitas vezes, chega ao ponto máximo de desequilíbrio psíquico-espiritual, tornando-se fator de alta concentração de energia negativa em um único indivíduo. Energia que necessita ser canalizada para um objetivo de característica destrutiva, ou seja, a vítima de seu perverso jogo...

Portanto, não seja vítima desse jogo, pois como nos informa o dito popular: A inveja mata! Mas mata simbólicamente emissor e receptor que se deixam envolver por uma energia de extrema negatividade. E o resultado desse "simbolismo" representado pelo desequilíbrio bio-psíquico-socio-espiritual, é o surgimento de somatizações pelo corpo físico.

A pessoa vítima da inveja patológica, deve manter vigilância diante da situação imposta pelo agressor. Sentimentos, atitudes ou atos que expressem ódio ou vingança, significam imaturidade do espírito. Fator de sintonia com o agente agressor...

Por outro lado, a pessoa obsessivamente invejosa, urgentemente, deve procurar auxílio psíquico-espiritual para descobrir as origens de seu desequilíbrio. Antes que a desarmonia, definitivamente, tome conta de seu espírito, a ponto de comprometer a próxima encarnação.

A história do homem sobre a face da Terra é repleta de casos que envolveram vítimas e algozes, seja na dimensão física ou espiritual. E o desafio do homem do atual milênio é transformar esse paradígma em um novo modelo de convivência socio-familiar fundamentada na energia que impulsiona o indivíduo para a evolução.

Não esqueçamos que bons pensamentos atrai energia do mesmo nível e favorece o crescimento integral do ser humano. É a lei universal da afinidade entre sintonias iguais. No entanto, a escolha será sempre do indivíduo ao utilizar regras obscuras e perversas ou regras claras e transparentes na relação com o seu semelhante.

Nessa direção, o despertar de consciências para o sentido da vida, torna-se um meio de aflorar sentimentos e valores que façam das relações interpessoais uma plataforma para vôos mais altos do espírito imortal.

Por Flavio Bastos


O medo... e a felicidade...



Estava aqui pensando com meus botões em quantas vezes senti medo em situações, que... uma vez solucionadas... me mostravam claramente, como o medo era algo muito desproporcional ao que realmente estava acontecendo.

Acho que temos medo porque não confiamos plenamente na Divindade, e pensamos que temos que resolver tudo com nossos recursos... com isso, diante de coisas que já parecem tão grandes e ameaçadoras, tratamos de torná-las ainda maiores alimentando-as com nossas memórias e pensamentos equivocados...
E como um fermento, o nosso medo vai fazendo tudo ficar muito maior e mais assustador... nos limitando a espaços, exteriores e interiores, cada vez mais apertados.

O medo afasta de nós a possibilidade de encontrarmos soluções que estão além do nosso controle... e quanto mais medo temos, mais queremos controlar tudo... e com isso, perdemos a oportunidade de nos abrir para os infinitos caminhos que vêm do desconhecido...

Enquanto escrevia recebi um e-mail com essa mensagem:
Quantos "agoras" perdemos, esquecendo que o risco pode ser a salvação de
muitas alegrias de nossas vidas...
O medo que nos impede de sermos ousados agora, também está nos impedindo de
vermos a linda pessoa que podemos ser.
Clarice Lispector

Sinto que nesse tempo, pelo qual estamos passando, estamos sendo chamados para avançar apesar dos medos, mesmo porque não temos mais muita saída... Os nossos recursos conhecidos estão se esgotando e só nos resta CONFIAR...

Confiar que as coisas acontecem mesmo sem a nossa interferência direta... confiar que uma semente cresce mesmo se não conferirmos todos os dias... confiar que, além do que acreditamos ser o melhor para nós, existem muito mais possibilidades... enfim... confiar que a Divindade que habita em cada Um... com certeza, sempre sabe o que é melhor para nós do que nosso ego, e que nunca estamos só...

Sei que entregar o controle e confiar plenamente na Divindade não é fácil, especialmente naquelas áreas onde temos as maiores expectativas... nesses pontos, não confiamos que coisas que sejam diferentes daquelas que desejamos, podem nos fazer felizes e, com isso, ficamos presos ao que muitas vezes nunca acontece... porque não fazia mesmo parte da nossa história... ou pior, quando se realizam, não trazem a esperada felicidade...

Geralmente, os nossos desejos são focados em símbolos da felicidade e esses símbolos são escolhidos por modelos que aprendemos a acreditar serem os ideais... quase nunca nos abrimos verdadeiramente para a felicidade simplesmente... independente da forma que vier. E muitas vezes a nossa felicidade passa longe do que acreditamos...

Quantas histórias conhecemos de pessoas que conquistaram tudo e acreditavam que iam ser felizes... e que, depois... encontraram a felicidade da maneira que nunca imaginaram. Às vezes de forma simples, em uma vida em contato com a natureza...
Isso, é claro, não quer dizer que a felicidade não pode ser encontrada quando buscamos e alcançamos coisas... se isso for realmente a vontade da nossa Alma..

Mas esses exemplos só nos mostram que o nosso ego, muitas vezes, é um fator complicador na busca pela felicidade, que depende muito mais do nosso estado de espírito do que das coisas que conquistamos.

Mas aprendemos assim e só nos resta desaprender e confiar que além de tudo que aprendemos... e nos prendemos... lá no profundo do nosso coração... de forma as vezes tão simples... habita a felicidade.

Por Rubia Dantés


A Dança e o Riso


A meditação é, sem dúvida, a ferramenta mais eficaz para alcançarmos a dimensão divina de nosso ser, que nos torna capazes de lidar com a vida de modo sábio, sereno e pacífico.

Muitas pessoas, no entanto, se dizem incapazes de meditar, pois suas mentes se encontram em tal estado de agitação e turbulência, que é quase impossível para elas permanecer imóveis e em silêncio por um longo período.

De fato, vencer a resistência da mente é um gigantesco desafio para aqueles que se propõem a ir fundo neste processo. Mas, é importante saber que esta não é a única forma de meditar.

Existem dois caminhos que podem igualmente nos levar ao encontro de nosso verdadeiro eu: a dança e o riso. Se formos capazes de experimentá-los de maneira total, mergulhando neste exercício por inteiro, sem resistência, certamente conseguiremos paralisar a mente, sem que seja necessário um grande esforço.

Como isto acontece? Simplesmente porque, ao dançar sem qualquer preocupação com o certo e o errado, e ao liberar a alegria que existe dentro de nós, refazemos imediatamente a conexão com o estado de pureza e inocência com que chegamos ao mundo.
A criança, quando pequena, não foi ainda contaminada pelos condicionamentos externos; por isso, cada simples acontecimento da vida a faz reagir com alegria.

Eu presencio muitas situações nas quais as crianças tentam chamar a atenção das mães para algo que as entusiasmam, e estas, muitas vezes, reagem com impaciência, dominadas que estão pelas preocupações que habitam suas mentes.
É esta capacidade perdida que conseguimos resgatar ao praticar a dança e o riso. Infelizmente, as repressões e as amarras a que foram condicionadas, tornaram muitas pessoas incapazes de se soltar, de liberar a criança que existe dentro delas.
Mas sempre é tempo de retomarmos a inocência perdida, e esta prática pode fazer toda a diferença entre uma vida plena e aquela em que simplesmente nos arrastamos do berço ao túmulo.

"A dança e o riso são as melhores portas, as mais naturais, as mais facilmente acessíveis para entrarmos na não-mente. Se você realmente dançar, o pensamento pára. Se você dançar sem parar, girando, girando e se tornar um redemoinho - todas as fronteiras, todas as divisões desaparecem. Você nem mesmo sabe onde seu corpo termina e onde a existência começa. Você se dissolve na existência e a existência se dissolve em você.

E se você estiver realmente dançando - não controlando a dança, mas deixando que ela o conduza - se você estiver possuído pela dança, o pensamento pára.

O mesmo acontece com o riso. Se você for possuído pelo riso, o pensamento pára. E se você conhecer alguns momentos de não-mente, esses vislumbres lhe assegurarão muito mais recompensas que irão surgir.

O riso pode ser uma bela introdução a um estado de não-pensamento.
No dia em que o homem se esquecer de rir, no dia em que o homem se esquecer de brincar, no dia em que o homem se esquecer de dançar, ele não será mais um homem; ele terá caído para uma espécie sub-humana. A brincadeira o deixa leve, o amor o deixa leve, o riso lhe dá asas.
Dançando com alegria ele pode tocar as estrelas mais longínquas, pode conhecer o próprio segredo da vida".
Osho, A Sudden Clash of Thunder / Zatathustra, The Laughing Prophet.

Por Elisabeth Cavalcante


domingo, 6 de fevereiro de 2011

Rabindranath Tagore

Como saber quem eu sou - Parte 2



Como voltar à nossa essência, a quem somos verdadeiramente? Como acreditar que essa pessoa, que convivo por anos, ou seja, eu mesmo, na realidade pouco tem a ver com quem penso ser? Não é simples descobrir quem somos. É um processo que pode levar anos, talvez uma vida inteira, pois sempre estamos mudando, evoluindo, e que bom!

Podemos começar reconhecendo e aceitando as emoções e sentimentos negativos que há dentro de nós, para só depois mudar o que nos faz sofrer. Um caminho muitas vezes árduo, que exige paciência, persistência e, acima de tudo, muita compreensão para conosco. O sofrimento está aí, latejante, presente, vivo, que nos faz querer sair correndo a cada novo problema que surge. O desânimo e desespero se fazem presentes. Mas fugir, reprimir, negar, só faz tudo ficar mais profundo e intenso dentro de nós.

Comece se perguntando quais são os sentimentos que têm sentido nos últimos meses ou anos. Quais são eles? Escreva um por um. Esse passo é importante para que consiga identificá-los. Essa confrontação honesta com o que sente e lhe faz sofrer pode ser o começo de sua libertação desses mesmos sentimentos.

É preciso entender que muitas vezes o conflito que parece advir do externo, na verdade, é apenas o reflexo daquilo que está bem dentro de nós, mas como está bem escondido há anos, sentimos dificuldade em identificá-lo. E assim, muitos de nós continuamos a nos enganar e a sofrer.

Tudo aquilo que sentimos pode ser transformado quando o reconhecemos sem medos ou fugas.

O passo mais importante é esse: aprender a identificar cada sentimento, faça isso todos os dias. Depois exercite identificar a causa, que também não é simples, requer acima de tudo, persistência. Pergunte-se: o que estou sentindo? Depois de ouvir a resposta, pergunte: o que me faz sentir isso? E ouça a resposta. Isso o levará cada vez mais perto da pessoa que você é.

Culpar os outros, seja este quem for, por aquilo que tem passado ou sentido, nada contribuirá para mudar, por isso é preciso se responsabilizar pela própria mudança, sem esperar que outras pessoas mudem, isso é responsabilidade de cada um, e ninguém pode fazer isso pelo outro. A sua mudança depende exclusivamente de você; a mudança do outro, depende dele. Sim, em alguns momentos temos que aprender a lidar com a sensação de impotência, decepção e frustração que a vida nos coloca.

Nem tudo é perfeito, mas se olharmos tudo como aprendizado, teremos outra percepção dos acontecimentos e em conseqüência, menos sofrimento.
Comece a perceber quais situações estão lhe deixando insatisfeito, desesperado, doente. O enfrentamento desses problemas lhe proporcionará uma maior percepção de sua própria capacidade de superá-los.

O autoconhecimento não o faz isento de sentimentos negativos ou sofrimento, mas pode fazer com que lide de uma maneira muito mais saudável com os mesmos. Conforme se conhecer mais e mais, não deixará de ficar triste, chorar, mas quando isso acontecer não lhe provocará mais desespero como provavelmente acontece, haverá muito mais controle e entendimento das possíveis causas, pois estará aprendendo a identificá-las.

É preciso lembrar ainda, que por mais que as pessoas desejem muito ser feliz, a maioria sente dificuldade em se permitir, como se não se sentissem merecedoras e, inconscientemente, acabam por se boicotar em mudar o que é preciso, permanecendo no mesmo padrão durante anos, ainda que à custa de muito sofrimento e dor.

Nunca abandone o desejo de ser feliz, mas para isso é preciso se permitir, sem carregar a sensação de estar fazendo algo errado. Busque sua própria evolução, pois cada um de nós, e ninguém mais, é responsável pelo próprio crescimento.
Evite a todo custo permanecer rígido em crenças, valores, que um dia lhe foram ensinados e vivenciados como se fossem seus, pois na maior parte das vezes eles não lhes pertencem. Quanto mais conseguir identificar o que aprendeu e descartar, libertar ou mudar aquilo que não lhe serve, mais estará perto de quem você é verdadeiramente.

Exercite a flexibilidade, estar aberto a novos valores, deixar fluir seus sentimentos e tudo aquilo que está dentro de você com a naturalidade que o processo exige. Seja verdadeiro e honesto consigo mesmo, como espera que outras pessoas sejam com você.

Neste instante, procure dentro de você quais são seus verdadeiros desejos. Vá lá no fundo, vasculhe tudo, que os encontrará. Não é um caminho fácil, mas quem disse que deveria ser?

Por que assumimos tantos compromissos com outras pessoas e raramente nos comprometemos com nós mesmos? Sabe aquelas atitudes que espera dos outros, mas que raramente você dá a si mesmo? Comece por aí, sendo tão amoroso, compreensivo, carinhoso, leal, honesto, comprometido consigo mesmo, da mesma maneira que é com outras pessoas.

Esse é apenas um dos caminhos para chegar a seu verdadeiro eu, mas no decorrer do processo irá se surpreender com outras maneiras de se conhecer cada dia mais. Afinal, autoconhecimento não tem fim, é algo que devemos cultivar eternamente. Por isso, não importa quando começa, o importante é aprender a se ouvir e acima de tudo, se respeitar. Caso tenha dificuldade nesse processo, procure ajuda de um psicólogo de sua confiança, ele com certeza lhe ajudará.

Por Rosemeire Zago


Como saber quem eu sou? - Parte 1


Acho que estou vivendo para agradar outras pessoas. Nem sei mais o que é bom para mim. Casar e ter filhos é o que a minha mãe quer, mas será que essa vontade é dela ou minha? Realmente, não sei mais qual é minha vontade. Quem sou eu?

O desabafo acima é um questionamento muito comum entre as pessoas. Estamos sempre dispostos a agradar e corresponder aquilo que esperam de nós, pois foi assim que aprendemos desde muito pequenos: a obedecer! E quando começamos a pensar com nossa própria cabeça e questionar se o caminho que estamos trilhando é mesmo aquele que queremos, o conflito se torna inevitável. As perguntas quem sou eu?, o que eu quero?, estou feliz? insistem em martelar em nossa cabeça e uma vez iniciado o questionamento é como se ele tivesse vida própria, não para mais. Como encontrar tais respostas? Como nos libertar da busca de reconhecimento, aprovação, da necessidade de agradar, deixar de ser tão suscetível a críticas e opinião das outras pessoas? Não é fácil libertar-se de tantas correntes que nos aprisionam. Sim, ficamos presos a essas necessidades que mal conseguimos viver, como se estivéssemos verdadeiramente acorrentados.

Para evitar esse conflito, durante algum tempo até conseguimos nos distrair com outros interesses, seja trabalhando em excesso para não sobrar tempo para pensar; seja cuidando da vida dos outros, ajudando, aceitando ou criticando-os, seja adoecendo como forma de chamar atenção, seja nos sobrecarregando com infinitas atividades, enfim, tudo isso pode inicialmente nos beneficiar à medida que proporciona a oportunidade de nos esconder de nós mesmos. Sofremos muito com as perdas durante a vida, mas não percebemos o quanto perdemos a nós mesmos cada vez que olhamos para o lado para não olhar para dentro de nós.

Você já reparou que quando estamos frente a uma multidão, conseguimos ver a todos, mas não vemos a nós mesmos? Percebe a diferença? Sempre estamos vendo os outros, o que interfere de forma profunda e simbólica quando precisamos ter o conhecimento de nossos próprios sentimentos. Sempre é mais fácil olhar o outro, perceber qual o melhor caminho para ele, do que olhar para dentro de nós e definir o próprio caminho.

Para conseguir as respostas das perguntas acima é preciso saber o que nos afastou de nós mesmos. Tudo começa de maneira muito sutil quando ainda somos muito pequeninos. Quando nascemos somos genuínos, iluminados, mas com o transcorrer do tempo começamos a nos apagar... ou somos apagados diante das cobranças, superproteção, vergonha, humilhação, rejeição, abandono, regras, etc, e inconscientemente, vamos nos distanciando de quem somos em essência, de nosso verdadeiro eu- o self. Com a intenção de sermos aceitos, criamos o que chamamos de máscaras, que são defesas que nosso inconsciente cria com o intuito de evitar a dor dos sentimentos que nos fazem sentir. O raciocínio do inconsciente seria o seguinte: Se sou tão criticado, se não faço nada certo, serei diferente para quem conseguir ser aceito e amado . Crescemos acreditando que não somos suficientemente bons para sermos amados pelo que somos, assim procuramos desesperadamente criar uma imagem de como deveríamos ser. Começamos a criar um falso eu como proteção e reprimimos cada vez mais nosso eu verdadeiro. Isso vai se cristalizando aos poucos, até que quando começamos a nos sentir insatisfeitos, infelizes, em conflito, ou quando algo acontece como uma perda significativa pela separação, morte, doença, e nos faz refletir como está nossa vida, é que começamos a questionar o que está acontecendo. E parece que quanto mais pensamos mais perdidos nos sentimos, é como se não soubéssemos mais quem somos, como o desabafo do início deste artigo.

Muitos se desesperam, ficam deprimidos, pois não conseguem identificar o que está acontecendo. A distância de si mesmo é tão profunda que não conseguimos mais ouvir nossa própria voz, nossos desejos e sonhos, é como se tudo tivesse se perdido. Mas, na verdade, tudo ainda está dentro de nós, só precisamos saber como encontrar a parte perdida.

Para alcançar o verdadeiro eu é preciso identificar quais são suas máscaras. Você sabe? Não é um processo simples, afinal, foram tantos anos acreditando ser de um jeito, como agora alguém lhe diz que essa pessoa não é você? É preciso fazer o caminho de volta, buscar o seu eu verdadeiro, sua essência. Em que momento da vida você se perdeu de si mesmo? Muitas vezes nem lembramos. Você pode começar identificando aquilo que neste momento está lhe incomodando, atrapalhando ou lhe trazendo conflitos.
As máscaras que desenvolvemos podem ser muitas. Por exemplo, a superioridade, arrogância, o poder, orgulho, a necessidade de agradar, o ser bonzinho em excesso, alegre em excesso, rindo de tudo e de todos, podem ser máscaras que ocultam profundos sentimentos de danos emocionais e conseqüente falta de valor a si mesmo, mas que um dia foram criadas para protegê-lo da dor. Geralmente aquilo que nos traz conflitos são nossas necessidades não supridas desde muito pequenos e que só agora começamos a ter consciência.

O casamento está mal, não recebe atenção como gostaria? Será que essa atenção que espera já não vem lá de criança? Por mais que o outro lhe dê atenção dificilmente conseguirá suprir a necessidade somada por anos. O que isso tem a ver com máscara? Provavelmente, quando criança já sentia a necessidade de atenção, mas como forma de se defender ou seja, para obter a atenção não recebida, passou a fazer de tudo pelo outro, agradando sempre e incondicionalmente, com o pensamento inconsciente de ser valorizado e assim receber atenção tão desejada.

Cresceu dentro deste padrão e no casamento deve ter agido da mesma maneira, sempre agradando, se sobrecarregando, mas com o passar dos anos a necessidade vai sendo potencializada, até chegar num ponto em que seu corpo e/ou sua mente não agüentam mais, mas ao mesmo tempo, não consegue identificar todo esse processo, pois não há esse conhecimento e o conflito se instala.

Quando isso acontece é hora de parar tudo e refletir no que está acontecendo, quando tudo começou, e em geral, começa lá no passado, na forma como fomos cuidados, educados, reprimidos, exigidos, cobrados. Quando começamos a nos moldar ao que esperavam de nós e desta forma começa o processo de distância de quem somos. O caminho de volta é longo, mas valioso.

...continua
Por Rosemeire Zago

Distante da Luz



Constantemente sonho com dias melhores e estes me parecem sempre distantes.
Vejo as dificuldades pressionando meu coração a ponto de não acreditar em palavras de paz. Sinto a angústia e o peso da tal escuridão.
Mas afinal onde está a minha Luz? Somos todos filhos de Deus e porque vivemos em meio das violências, das corrupções, do desa
lento humano?


Não deixe de sentir as flores, o vento,
a dança das nuvens, o movimento das folhas.Não deixe de sentir a presença
do amor em seu coração.


Faça da escuridão a porta que se fecha para o que é puro em seu ser, a busca desenfreada para alimentar os desejos superficiais de sua existência.
Não somos apenas matéria, não somos apenas vítim
as do dinheiro.

Somos seres que sentem a alegria de poder viver, de poder amar, de sentir em nosso interior a extensão de todo o Universo.
A sua Luz está na quietude da auto-opressão, da sua própria cobrança em não ter o que a indústria do consumo lhe instigou.

A sua Luz lhe aguarda para que possa realmente s

er aquele que nasceu para sorrir.
Permita-se viver.


Mentalize ou fale em voz alta:

Agora estou em sintonia com a Presença mais ampla que é o meu verdadeiro EU.
Tomo conhecimento de que sou mais do que tenho percebido ser.
Agora procuro tornar-me mais!

www.paz.com.br