segunda-feira, 2 de maio de 2011

Síndrome do Pânico



A pessoa tem uma vida normal, sem grandes sobressaltos. Pode ter 10 ou 50 anos.
Mas nela existe um gatilho pronto para ser puxado, porém ela não tem consciência disso.
Poderá ser uma cena violenta resgatada do nosso cotidiano, na TV, na rua, num pequeno acidente de transito, num insignificante ferimento superficial nela ou em outra pessoa...

De repente terá que ir - ou ser levada - ao Pronto Socorro mais próximo pois, sem mais nem menos, entra num quadro de desespero total. O coração parece querer explodir, o ar quase desapareceu da face da terra, a visão fica ofuscada, a sudorese dispara parecendo seu corpo a Fontana de Trevi e o local em que se encontra por mais espaçoso que seja lhe passa a sensação de ser um túmulo!

Muitos acham que se trata do momento final... mas não é bem isso.
O medico experiente verifica os sinais vitais e percebe que é mais um caso clássico de síndrome de pânico... e nós ficamos sabendo que por algum motivo aquele gatilho armado às vezes até em vidas passadas, foi finalmente disparado, e atingiu o alvo.
Se a causa raiz não for devidamente encontrada e solucionada, este gatilho poderá voltar a atacar em outra ocasião, e normalmente sem aviso prévio.

Estatísticas varias falam que esta desordem atinge hoje cada vez mais crianças e adultos e está aumentando sua intensidade rapidamente, chegando a atingir cerca de 5% da população atual.
Temos tido conhecimento de casos em que até os animais sofrem de algo parecido, tanto que, pela dificuldade de serem ajudados, chegam a morrer ao ficar em situações de desespero extremo. É o caso de um cão da raça doberman que, durante uma queima de fogos, procurou abrigo alojando-se debaixo do painel de um automóvel e vindo a falecer por hemorragia causada pelos cortes ao se debater descontrolado nas ferragens.

Estudo de casos:
Wagner, 42 anos, casado, empresário muito bem sucedido de Import/Export. Ex-piloto da FAB, dois filhos, escritório em Miami, vivendo mais tempo no ar do que na terra.

Tudo começou ao adentrar o elevador - lotado de gente - da sua residência, num dia muito quente. Entrou, a porta se fechou e se deu o disparo do gatilho.
O tempo parecia ter congelado. Neste curto espaço de tempo o terror tomou conta dele, fazendo que ele manifestasse todos os sintomas acima descritos assolam quem é acometido por uma crise de pânico. Ao chegar no 8° andar já se sentia uma pessoa diferente, tendo até machucado mão e ombro ao danificar a porta do elevador, por não esperar que esta abrisse totalmente para poder sair.

Demorou algumas horas para retornar ao normal, pois a esposa ministrou um calmante que tinha na residência permitindo que ele finalmente relaxasse.
Pensando ter voltado ao normal, no dia seguinte Wagner retornou à rotina de sempre, mas qual não foi a sua surpresa quando – novamente no elevador – o disparo do gatilho estava novamente à espreita, pois tudo voltou a acontecer, tendo ele saído no andar seguinte, completando o percurso pelas escadas.
A partir desta data, somente utilizava o elevador quando estivesse vazio, saindo dele caso outros entrassem.

Mas outros desafios estavam para serem enfrentados...
O desafio era do tamanho de um Boeing.
Acostumado a voar rotineiramente e também por ser um ex-piloto, não podia imaginar o que iria acontecer.
O vôo estava lotado, o dia era de muito calor e ao percorrer os poucos passos até a poltrona dele, começou a sentir algo estranho, mas que começaria a se tornar cada vez mais familiar.
No momento em que a porta se fechou, os sintomas começaram a piorar de tal maneira que quando a aeronave se preparava para decolar, já na cabeceira da pista, ele levantou desesperado e descontrolado se encaminhando para a porta a qual passou a esmurrar aos berros pedindo para sair, o que obrigou o piloto a abortar a decolagem - apesar de todos os esforços do tripulantes – pois não conseguiram acalma-lo.
Wagner acabou aparecendo como noticia no jornal local do dia seguinte.

Foi um cardiologista amigo comum que o encaminhou pra mim, a fim de tentar solucionar de forma não convencional este grave distúrbio que o impedia de ter uma vida como sempre teve.

Ao fazer o retorno cronológico, foi possível acessar um fato ocorrido na hora do nascimento, que tinha sido bem complicado. Solicitei que Wagner fizesse uma comparação entre o que estava vivenciando naquele momento e as situações do avião e do elevador.
Segundo ele as situações eram parecidas mas não tão fortes.

Em função disso procurei aprofundar este retorno cronológico que chegou a surpreender ambos, pois Wagner, que nunca tinha feito uma regressão, passa a narrar um episódio ocorrido em outra vida em que se vê como infeliz protagonista:
Era menino brincando com outros sobre uma ponte, num dia quente e ensolarado. Estavam todos alegres naquela brincadeira de um querer empurrar o outro para a água - sendo que todos sabiam nadar - praticamente desde o nascimento. Ele é subitamente jogado na água e se vê afundando mais e mais num buraco um pouco maior que ele, existente no fundo do rio.

Ele está de início vendo a cena até o momento da morte por afogamento.
Como experiência, peço que ele vivencie o ocorrido como se estivesse acontecendo no momento presente, narrando o que sentia desde o inicio da queda.
Quando meu corpo toca a água, sinto que ela está quente e clara. Mas num certo ponto fica tudo escuro e me sinto muito apertado. Tento sair mas não consigo, me apavoro, engulo água e acabo falecendo.
Peço para novamente fazer a comparação entre o que estava acontecendo na água e o episódio do avião. A resposta foi:
É exatamente igual.
Tínhamos encontrado a causa raiz.

Pedi que fizesse o Perdão aos colegas - que não tiveram culpa - e fiz o resgate da alma dele (aquele aspecto da alma dele – referente àquela vida - que é um fragmento do seu espirito imortal), e que ainda estava presa no evento.

Voltando do retorno cronológico ele confessa que se sente completamente diferente e renovado e que uma sensação de leveza e tranqüilidade tomou conta de todo o seu ser.

Nesta mesma noite Wagner me comunicou que tinha utilizado o elevador lotado – e quente – e que nada de anormal tinha acontecido. Hoje está totalmente curado e o fator principal ao qual podemos atribuir a cura definitiva (Além do Perdão e do resgate da Alma) é a conscientização da causa raiz que foi responsável por todos os disparos do gatilho.

Também tivemos a colaboração da Terapia Floral que ajudou na completa desimpregnação da sua Alma e dos seus registros causadores.

Por Eraldo Manfredi

3 comentários:

byClaudioCHS disse...

Medo...
Vontade de dar um grito,
ou calar-se para sempre
De ficar parado, ou correr
De não ter existido
ou deixar de existir (morrer)
Não há razão quando a mente não funciona
(redundante, não?)
Vão extinguindo-se as questões
mesmo sem respostas
Perde-se, neste estágio,
a vontade de saber.
O futuro é como o presente:
É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
Morreu a curiosidade
Morreu o sabor
Morreu o paladar
parece que a vida está vencida
Tenho medo de não ter mais medo.
Queria encontrar minhas convicções...
Deus está em um lugar firme, inabalável,
não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
Até porque, na verdade, confio nele
O problema é que já não confio em mim mesmo
Não existe equilíbrio para mentes sem governo
A química disfarça, retarda a degradação
mas não cura a mente completamente
E não existem, em Deus, obrigações:
já nos deu a vida, o que não é pouco,
a chuva, o ar, os dias e noites
Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
já que seremos vencidos pelo tempo
(este é o destino dos homens)
e seremos ceifados num dia que não sabemos
num instante que mira nossa vida
e corre rápido ao nosso encontro lentamente
(ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
Sei lá...
Mas não sei se quero estar aqui
para assistir o meu fim
Queria estar enclausurado, escondido...
As amizades que restam vão se extinguindo
e os que insistem na proximidade
são os mesmos que insistirão na distância,
o máximo de distância possível.
A vida continua o seu ciclo
É necessário bom senso
não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
Eu disse bom senso?
Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
nem princípios, nem razão, nem discernimento,
nem força alguma
Torna-se um alvo fácil
condenável pelos que estão em são juízo
E questionam: onde está sua fé?
e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
o problema é que, quando a mente está sem governo
(falo de um homem enfermo)
é como um caminhão que perde o freio
descendo a serra do mar...
perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
e por alguns instantes (angustiantes)
não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
ah... quem dera, quem dera...
que a mão de Deus me sustente neste instante...
em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
porque sou, neste momento
a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
tenho medo, medo...
medo de perder o medo
de sair da vida pela porta de saída...
medo de perder o medo
de apertar o botão "Desliga"...

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.

Bel Bezerra disse...

Olá Claudio,obrigada pela visita ao meu blog.
É sempre um prazer deparar-me com um post e o seu é um belo e exato momento que o pânico nos leva, um redemoinho sem janelas.

Volte sempre, escreva, comente, desabafe, interaja, dê depoimentos, o espaço é nosso.

É super importante saber que existem outras pessoas que vivenciaram ou vivenciam problemas como os nossos e por vezes uma dica torna-se verdadeiras tábuas de salvação ou mesmo o caminho para a cura de cada um.

Fica com Deus.

Paz Profunda.

Bel Bezerra

byClaudioCHS disse...

Olá, Bel, obrigado por enxergar beleza no meu texto, porque, ele é angustiante, sim, e exprime o exato momento do caos e confusão que vivi, mas é, acima de tudo, um poema, belo pela simetria, pelo ritmo, pelas imagens que cria. Este poema é relativamente antigo, pois vieram outras crises e outros poemas, e a todos sobrevivi, graças a Deus, mas se quiser acompanhar a evolução do caos e da habilidade de exprimi-lo, siga o link:

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com/2011/11/sera-que-vale-pena.html

e verá um texto atualíssimo, escrito há apenas dois dias atras, durante mais uma crise que venci. O texto é cheio de surpresas e traz, também, em si, uma carga poética fortíssima. Fica com Deus, um beijo respeitoso para você.